Esportes

Sylvinho vê trabalho 'muito bom' no Corinthians: 'Estamos preparados para 2022'

Da Redação ·

A diretoria de futebol do Corinthians bancou a permanência de Sylvinho para 2022 e deixou o técnico convencido que fez um excelente trabalho ao levar o time à quinta colocação do Brasileirão. Amparado na classificação à fase de grupos da Copa Libertadores, o treinador aumenta o tom contra as críticas e garante que realizou tudo certo no clube. De quebra, desmente ter pensado em pedir demissão e garante estar preparado para a próxima temporada.

continua após publicidade

Sylvinho recebeu muitas críticas pela passividade do Corinthians nas visitas do Brasileirão. No segundo turno, por exemplo, foram somente três pontos somados e nenhuma vitória. Pior, sendo facilmente dominado pelos rivais. O massacre diante do Juventude, na quinta-feira, foi para fechar com chave de ouro as péssimas visitas corintianas. O time também nada fez nas derrotas contra Flamengo, São Paulo, Atlético-MG, Sport... Mesmo assim, Sylvinho vê de outra maneira.

"Eu só vejo pontos positivos. Você pinça jogos fora, mas o importante é ter os pontos e ir para Libertadores", afirma o treinador. "Você pegar um Corinthians no qual o cenário externo duvidava que o time ia se manter em primeira divisão. Assim eu peguei o time, a pauta era essa e em nenhum momento em 38 rodadas nós estivemos em zona de rebaixamento", se defende.

continua após publicidade

Sylvinho segue com o discurso de tudo maravilha, apesar da ampla reprovação da torcida. "O trabalho foi se construindo até a virada de primeiro turno, no sexto lugar. Quero entender. Aqueles mais inteligentes que a gente encontra na rua, que nos liga e conversa é elogiando o trabalho. Nós em nenhum momento corremos risco. Foi realmente um grande trabalho, mas nós queremos sempre mais. Sim, as pressões vêm, é normal, as cobranças, a camisa é forte, e nós estamos preparados para 2022."

Não precisar jogar a fase prévia da Libertadores dá um alívio para Sylvinho. Mas o técnico sabe que terá de enfrentar a fúria da torcida se não melhorar o rendimento da equipe. O efeito gangorra incomoda os torcedores. Ele deve ganhar reforços para facilitar a sua missão de "conquistar as arquibancadas."

Crente que isso será possível, ele jura jamais ter pensado em largar o barco. Nem mesmo quando seu filhos acabaram sendo vítimas de alguns vândalos. "É triste o que a gente vive, de notícias falsas. Não passou pela minha cabeça pedir demissão. Se os objetivos estão sendo alcançados, estamos respaldados pela diretoria, presidente, atletas, o ambiente é ótimo", garante. "Agora olha o cúmulo que vivemos, sou obrigado a gastar tempo para explicar o que jamais passou na cabeça. É surreal, irresponsabilidade de quem cria este tipo de notícia e planta essa situação. Não querem aceitar que o trabalho é bom."