Esportes

Senegal bate Egito nos pênaltis e conquista inédito título da Copa Africana

Da Redação ·

Com estilos opostos, Senegal e Egito protagonizaram uma final intensa da Copa Africana de Nações. Com marcações fortes, os craques Sadio Mané e Mohamed Salah - que são companheiros de Liverpool - pouco apareceram. Mesmo assim, Mané acabou se tornando o protagonista da final, por perder um pênalti nos 90 minutos e converter a última cobrança do jogo decidido nas penalidades. Foi a primeira vez que Senegal se sagrou campeão do torneio continental.

continua após publicidade

Em Yaoundé, capital de Camarões, Mané perdeu um pênalti no começo do primeiro tempo que poderia mudar completamente o cenário do confronto no estádio Paul Byia. O placar ficou zerado ao longo de todo o tempo regulamentar e da prorrogação, levando a partida para os pênaltis. Então, o goleiro Mendy e o atacante brilharam com defesas e o gol decisivo para garantirem o primeiro título da história da seleção senegalesa.

A decisão começou com Senegal buscando o ataque. E, logo aos 5 minutos, os egípcios cometeram uma penalidade máxima e poderiam facilitar o caminho de Senegal pelo troféu inédito. No entanto, Mané parou no goleiro Gabaski. Apesar de desperdiçarem o pênalti, os senegaleses seguiram pressionando e passaram perto de inaugurar o marcador em jogadas pelos lados, principalmente. O Egito criou oportunidades mais escassas, mas sustentou o 0 a 0 até o fim do primeiro tempo.

continua após publicidade

Sem poder contar com o técnico português Carlos Queiroz, que foi expulso no duelo da semifinal diante de Camarões, a seleção egípcia parecia demonstrar cansaço devido às prorrogações jogadas nas fases de oitavas de final (contra a Costa do Marfim), quartas de final (diante do Marrocos) e semifinal contra os donos da casa. Mesmo assim, os números da etapa inicial ficaram parelhos, tanto em termos de posse de bola, como em finalizações.

Senegal voltou para o segundo tempo com a mesma intensidade, dando trabalho para o goleiro do Egito, que recorreu a substituições para tentar melhorar o desempenho do time. Bem marcado, Salah seguiu sem aparecer muito no jogo. As mudanças melhoraram a capacidade de marcação dos egípcios, mas pouco ajudaram no ataque. Senegal também não melhorou e parou de criar lances no ataque. E, assim, o duelo truncado levou o jogo à prorrogação.

No primeiro tempo da prorrogação, raras chances de gol surgiram para ambos os lados, mas sem sucesso. Na segunda etapa, sem mais nada a perder, as seleções passaram a arriscar mais. Senegal levou perigo em chute de longe, enquanto o Egito apostava em bola parada e velocidade nos contra-ataques, também dando susto em Mendy. O empate persistiu e o duelo foi para as penalidades máximas.

Senegal e Egito voltam a se encontrar em março quando definirão qual das duas seleções irá para a Copa do Mundo do Catar, em novembro. O confronto pelas Eliminatórias Africanas terá jogo de ida e volta.