Esportes

Seattle Sounders consolida momento da MLS com taça continental e vaga no Mundial

Da Redação ·

O Seattle Sounders, dos Estados Unidos, quebrou uma hegemonia de 16 anos de times mexicanos ao conquistar o título da Liga dos Campeões da Concacaf ao superar o Pumas por 3 a 0 e será o primeiro time americano no Mundial de Clubes da Fifa, que, desde sua criação, contou com representantes do México, além do Deportivo Saprissa, e da Costa Rica, em 2005. A conquista determina o fim da última barreira para a Major League Soccer (MLS) se estabelecer como uma das mais fortes do continente.

continua após publicidade

"Passamos um longo tempo construindo isto aqui. Há muitos bons times (na MLS), estamos no nível dos melhores clubes mexicanos. Os melhores times da MLS podem competir em qualquer dia com qualquer um do México e você simplesmente não podia dizer isso há cinco anos", afirmou Garth Lagerwey, diretor geral do clube, em entrevista logo após o jogo.

Lagerwey citou New York City, Los Angeles FC e New England Revolution e pediu que outros possam seguir os passos do Seattle Sounders. "Somos o símbolo, avançamos, finalmente conseguimos, vencemos os nossos demônios. Mas todo mundo é bem-vindo. Queremos uma montanha lotada aqui em cima. Não queremos estar aqui sozinhos", continuou.

continua após publicidade

Com o título, o Seattle Sounders, que conta com os brasileiros João Paulo e Léo Chú, ex-jogadores de Botafogo e Grêmio, respectivamente, terá chance de encarar, por exemplo, Real Madrid ou Liverpool, que vão se enfrentar na final da Liga dos Campeões. "É como um sonho. Nos tornaremos um clube global agora. Eu tenho de pensar que meu telefone vai começar a tocar assim que algumas pessoas virem nossa base de torcedores, nossa estrutura… É um bom ambiente de futebol, tão bom quanto em qualquer lugar do mundo. É um lugar muito especial", explicou o diretor da MLS.

MUDANÇA

Fundada em 1996, a MLS tinha dez equipes. Atualmente, 28 times participam do torneio de futebol. Em franca transformação, a competição sofreu alterações no formato de disputa e o perfil de atletas contratados pelos times também foi alterado.

continua após publicidade

"A estratégia anteriormente era contratar nomes conhecidos para divulgar a liga mundialmente. A MLS se organizou e as equipes estão investindo em jogadores com potencial de revenda. É um momento novo, de crescimento, que faz parte de um planejamento a longo prazo para tornar o futebol nos Estados Unidos ainda mais forte do ponto de vista esportivo e econômico", explica Rui Costa, diretor executivo do São Paulo. A equipe do Morumbi negociou no começo do ano passado o atacante Brenner, uma das revelações de Cotia, com o FC Cincinnati.

Lampard, Pirlo, Schweinsteiger, Kaká e Zlatan Ibrahimovic são exemplos de medalhões que, após fazerem sucesso na Europa, foram contratados na fase final da carreira por equipes da MLS. Porém, nos últimos anos, os clubes passaram a apostar em jovens revelações sul-americanas, entre eles Brenner, além de Thalles Magno, ex-Vasco, Gabriel Pereira, ex-Corinthians, e os venezuelanos Soteldo, com passagem pelo Santos, e Savarino, negociado recentemente pelo Atlético-MG.

"Houve uma mudança tanto no foco dos clubes americanos quanto na mentalidade dos jovens atletas brasileiros. Eles, hoje, são monitorados e seguem para os Estados Unidos para darem continuidade ao processo de desenvolvimento. A MLS se tornou um lugar de lapidação de promessas e as estruturas oferecidas pelas equipes são interessantes para os jogadores e seus agentes, que enxergam na liga um bom caminho para atuarem na Europa", afirmou Marcelo Paz, presidente do Fortaleza.

continua após publicidade

Dos 33 atletas brasileiros que disputam o torneio, 11 possuem menos de 23 anos. Para Júnior Chávare, diretor executivo com passagens por Bahia e pela base de Grêmio, São Paulo e Atlético-MG, o potencial de retorno financeiro dos atletas jovens tornam as negociações atrativas para as equipes norte-americanas.

"Os times da MLS possuem uma vantagem na contratação de destaques de clubes brasileiros e sul-americanos, que é a valorização do dólar. Além disso, a possibilidade de retorno esportivo e financeiro para as agremiações tornaram essas negociações cada vez mais comuns. O alto potencial de revenda dos atletas jovens, que podem ser negociados com o mercado europeu, é um grande atrativo", disse Chávare. Na liga, há teto salarial, e ele é de US$ 200 mil.