Esportes

Russell admite ter ficado muito tempo na Williams antes de ir para a Mercedes

(via Agência Estado) ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

O piloto George Russell admitiu, nesta sexta-feira, que os três anos que passou com a equipe Williams foram "muito longos" enquanto esperava uma convocação para a fábrica da Mercedes.

continua após publicidade

Depois de dominar o Campeonato de Fórmula 2 de 2018 com o ART Grand Prix, marcando 287 pontos para os 219 do vice-campeão Lando Norris, o então piloto júnior da Mercedes, Russell, estreou na Fórmula 1 com a Williams. Ele passou três anos na equipe, durante os quais também subiu ao pódio no Grande Prêmio da Bélgica de 2021 depois de substituir Lewis Hamilton no Grande Prêmio de Sakhir de 2020, antes de ficar com a vaga de Valtteri Bottas para a temporada de 2022.

"Acho que quando assinamos com a Williams em 2018, tínhamos em mente uma equipe que havia passado três anos marcando pódios, terminando em terceiro, terceiro, quinto entre os construtores, mas eles tiveram um ano muito ruim, quando terminaram em último", disse o britânico.

continua após publicidade

"Mas pensamos que esta era uma equipe que no momento poderia se recuperar disso e voltar na região de competitividade quinto e terceiro lugares. Então, todos concordamos que três anos era um bom período para lutar por pontos, talvez por pódios", continuou o piloto, de 24 anos.

"Em retrospectiva, três anos dirigindo sozinho na parte de trás do grid foi muito tempo. Mas, infelizmente, Claire (Williams, ex-vice-diretora de equipe) fez um bom trabalho nas negociações do contrato e não havia saída", relembrou.

No entanto, Russell acrescentou que ingressar na Mercedes em 2020 teria sido "incrivelmente difícil", já que o carro foi adaptado para Hamilton, que garantiria o sétimo título de pilotos naquela temporada. "O carro evoluiu para se adequar ao seu estilo de pilotagem de Lewis. Considerando que agora é uma folha de papel nova para todos, todo mundo está começando do zero, e esse provavelmente seja o momento certo."

O piloto, que marcou três pódios e conquistou pontos em todos os finais de semana de corrida de 2022, exceto o Grande Prêmio da Grã-Bretanha - onde se acidentou em alta velocidade na primeira volta,com o chinês Zhou Guanyu, disse que a Mercedes "sempre acreditou" em seu potencial. "Toto (Wolff, chefe da Mercedes) sempre me disse apenas para continuar fazendo meu trabalho na pista para continuar no carro. Acho que sempre acreditaram em mim. Eles querem me edificar e garantir que eu trabalhe meu potencial."