Esportes

Olimpíada de Tóquio apresenta geração de heróis adolescentes

Da Redação ·

Eles ainda estão na adolescência, muitos têm o rosto marcado por espinhas, mas já são medalhistas olímpicos. São garotos e garotas com menos de 18 anos que estão brilhando nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Se a precocidade e talento da skatista Rayssa Leal chamaram a atenção do torcedor brasileiro por ela conquistar uma medalha de prata com apenas 13 anos, essa edição dos Jogos está recheada de outros bons exemplos da força da juventude.

continua após publicidade

A Olimpíada de Tóquio tem apresentado ao mundo uma nova geração de campeões. A inclusão de esportes como surfe, escalada e skate faz parte da estratégia do Comitê Olímpico Internacional (COI) para rejuvenescer o público dos Jogos Olímpicos e atrair uma nova audiência, mas no Japão os garotos têm brilhado em vários outros esportes também.

O sul-coreano Kim Je-deok, de 17 anos, faturou nada menos do que dois ouros no tiro com arco. Uma na disputa por equipes mistas e, depois, na prova masculina por times. O garoto prodígio já é apontado na Coreia do Sul como alguém capaz de fazer história no esporte.

continua após publicidade

Apelidado de "gênio do arco e flecha", ele primeiro chamou atenção após aparecer em um show de talentos em um canal de TV e, então, passou a ser lapidado por profissionais até chegar aos Jogos. Na equipe masculina campeã olímpica, integra o time com atletas até 23 anos mais velhos do que ele.

Com a mesma idade, a americana Lydia Jacoby já é campeã olímpica de natação nos 100 metros peito. No caso dela, o adiamento da Olimpíada foi favorável porque possibilitou que tivesse um ano a mais para se fortalecer mental e fisicamente e conseguisse o índice que lhe garantiu a vaga em Tóquio. Seus planos antes da pandemia, em março de 2020, eram estar nos Jogos como torcedora, de férias com os pais.

Lydia fez história antes mesmo de chegar a Tóquio. Ela é a primeira nadadora do Alasca a se classificar para os Jogos Olímpicos. "Acho que, vindo de um clube pequeno e de um Estado com uma população tão pequena, apenas mostro a todos que você pode fazer isso, não importa de onde você seja", disse a adolescente, que está no último ano do equivalente ao Ensino Médio nos Estados Unidos.

continua após publicidade

A espanhola Adriana Cerezo Iglesias, 17 anos e prata no tae kwon do, saboreia cada momento de glória e admite que ainda não sabe muito bem como lidar com a fama repentina. "Quando vi aquela quantidade enorme de gente que é referência no esporte me dando os parabéns, fiquei pasma. Não esperava nada disso", disse após receber os cumprimentos de nomes como o astro do basquete Pau Gasol.

Se durante as suas provas esses pequenos heróis olímpicos, apesar da pouca idade, já demonstram uma maturidade incomum, talvez o único momento em que exibem certa fragilidade é na hora de encarar dezenas de jornalistas adultos com microfones e câmeras, fazendo perguntas e tirando fotos. Por vezes, parecem um pouco assustados e confusos.

Foi o caso da japonesa Momiji Nishiya, 13 anos, medalha de ouro na decisão do skate contra Rayssa Leal. Ela parecia muito mais tímida do que a brasileira na hora de escolher as palavras.

Já Rayssa foi direta quando questionada sobre como ficará a sua vida depois da medalha olímpica: "Quero voltar a ser a menina que sou. Não quero ter responsabilidades. Quero continuar sendo a garotinha animada que sou para todo o Brasil". O seu desejo é levar a medalha conquistada para exibir aos amigos da sua escola em Imperatriz, no interior do Maranhão.