Esportes

Mancini deixa o Grêmio após falar que 'é mais importante não perder que ganhar'

Da Redação ·

Chegou ao fim a segunda passagem de Vagner Mancini no comando do Grêmio. O treinador foi demitido nesta segunda-feira após o sofrido empate com o Juventude, por 1 a 1, no Campeonato Gaúcho, buscado somente nos acréscimos. Sem conseguir dar um padrão ao time desde o rebaixamento no Brasileirão, mesmo na liderança do estadual, ele sai após enorme pressão da torcida. O técnico acabou xingado na Arena do Grêmio neste domingo e os torcedores pediram o retorno de Renato Gaúcho.

continua após publicidade

"O Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense comunica o desligamento do técnico Vagner Mancini e sua comissão técnica, formada pelo auxiliar técnico Regis Angelis; pelo analista de desempenho, Claudio Andrade; e pelo auxiliar de preparação física, Lucas Itaberaba", anunciou a diretoria. "O clube agradece ao profissional pela sua dedicação em sua segunda passagem no comando da equipe e deseja êxito na continuidade da carreira como treinador."

A gota d'água com o treinador foi o pedido de paciência para a torcida após o time sofrer para empatar com o ameaçado Juventude, por 1 a 1, na Arena Grêmio e pelo fato de ele deixar vitórias em segundo plano.

continua após publicidade

"Existe uma filosofia de trabalho qual eu sigo sem negociá-la: o importante não é ganhar, é evitar perder ou empatar, com essa máxima obtive os melhores resultados na minha carreira", disse o treinador após o 1 a 1, frase que acabou não caindo bem no clube, ainda mais com uma Série B pela frente na qual são necessários muitos triunfos para o acesso.

Mancini chegou ao Grêmio em outubro de 2021 com a missão de salvar o time da queda. Chegou cheio de pose e prometendo fazer um grande trabalho. Estreou com vitória e foi logo falando em levar o time à Libertadores, a primeira gafe em uma equipe afundada na tabela e sem empolgar em campo.

Os resultados sumiram, a queda acabou inevitável e a aposta da diretoria era que o time iniciasse o ano bem melhor, mostrando força e imposição. Mesmo reformulado, o Grêmio continua devendo futebol e a direção optou pela mudança de comando sem ver perspectivas no trabalho de Mancini.