Esportes

Klopp evita apontar favorito, mas confia em bom momento do Liverpool

(via Agência Estado) · GoogleNews

Siga o TNOnline
no Google News

Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

Três assuntos dominaram a entrevista coletiva de Jürgen Klopp nesta sexta-feira, véspera da final da Liga dos Campeões da Europa: o cansaço depois de uma longa temporada, o possível desânimo pela perda do título inglês para o Manchester City, nos últimos minutos da rodada final, e o clima de revanche contra o Real Madrid, algoz do Liverpool na final disputada em Kiev, na Ucrânia, há quatro anos.

continua após publicidade

"Não tenho uma resposta sobre se há um favorito para ganhar este título, mas o fato é que estamos outra vez em uma final, e estamos jogando bem", disse Klopp, técnico do time inglês. "Se formos capazes de sermos nós mesmos, mostrarmos o nosso melhor, seremos um time muito difícil de ser batido."

Em vez de mencionar a fadiga mental e física do Liverpool, que acumula uma série de partidas decisivas, desde fevereiro, ele preferiu valorizar o retorno aos treinos de Thiago Alcântara e Fabinho. "Depois das atividades, na véspera do jogo, avaliaremos a condição de ambos, mas eles parecem bem", disse.

continua após publicidade

"Estamos motivados por estarmos em uma final da Liga dos Campeões, pela terceira vez em cinco anos, e isso é especial." Instigado a dizer quem sairia como favorito para a decisão, Klopp respondeu: "se o fator decisivo fosse a história e, este ano, a experiência em reverter situações desfavoráveis, o Real Madrid seria o favorito. Mas nosso time está bem preparado e focado".

Apesar de uma dessas finais ter culminado em título - vitória por 2 a 0 sobre o Tottenham, em Madri, em 2019, claro que a derrota contra o Real Madrid é uma lembrança. "Nesta final de Paris, teremos a oportunidade de deixar o que aconteceu naquele jogo, em Kiev, definitivamente, no passado", disse ao Estadão o lateral Andy Robertson. "É nosso último jogo na temporada, em uma competição especial, contra um rival especial: daremos tudo para levantar, mais uma vez, essa taça."

O escocês Robertson também elogiou a torcida do Liverpool. Estima-se que 60 mil ingleses possam invadir Paris, a maioria deles sem ingresso, para curtir o clima e ficar mais próximo da decisão. "O Liverpool tem torcedores exigentes, querem espírito de luta. Daremos tudo por eles". Cerca de 20 mil ingressos foram destinados ao time inglês.

continua após publicidade

PARA A UCRÂNIA

Klopp também não se esquivou do assunto que mais aterroriza a Europa, a guerra na Ucrânia. Lembrou que esta final deveria estar sendo sido disputada na cidade russa de São Petersburgo. "Esta guerra ainda está acontecendo e temos de pensar que o fato de ela (a decisão) não ser mais em São Petersburgo não seja a exata mensagem que a Rússia deva merecer. A vida segue, mesmo quando alguns tentam destruí-la. Jogaremos este final para os nossos torcedores e, especialmente, para todo o povo da Ucrânia."