Esportes

Jogador do Burnley é alvo de ofensas nas redes sociais após empate com o Arsenal

Da Redação ·

O Burnley denunciou neste domingo que o zagueiro Erik Pieters foi alvo de ataques virtuais após a equipe empatar em casa por 1 a 1 com o Arsenal, sábado, pela 26ª rodada do Campeonato Inglês. O motivo é um suposto pênalti que ele teria cometido durante o jogo, mas que não foi assinalado.

continua após publicidade

No final da partida, ao tirar de cima da linha um gol do Arsenal, o defensor holandês recebeu o cartão vermelho, mas o VAR revisou a marcação e o árbitro Andre Marriner retirou a expulsão. Antes disso, Pieters colocou o braço na bola dentro da área, mas o juiz ignorou e não marcou a penalidade.

"Estamos cientes dos abusos online dirigidos a Erik Pieters após o jogo de ontem. Obrigado a todos que destacaram esses ataques", informou o clube inglês no Twitter, sem detalhar quais ofensas ele teria sofrido e sem deixar claro se esses comentários partiram de torcedores do Arsenal. "Estamos em contato com todas as partes relevantes e oferecendo nosso apoio a Erik e sua família", completou.

continua após publicidade

As ofensas no ambiente online são um problema recorrente no futebol inglês, que tem travado uma batalha inglória para mudar esse cenário. Vários jogadores, incluindo o meio-campista brasileiro Willian, do Arsenal, foram vítimas de abusos nas redes sociais recentemente. No caso dele, foi chamado de "macaco" no Instagram.

Os jogadores ganharam apoio dos clubes e entidades, incluindo a Premier League, no combate a esses ataques, muitos deles racistas, homofóbicos e xenofóbicos. As partes começaram a pressionar e assinaram uma carta conjunta destinada a Jack Dorsey, CEO do Twitter, e a Mark Zuckenberg, proprietário do Facebook e do Instagram, exigindo providências para lidar com o grave problema. Recentemente, o Estadão falou com as gigantes das redes sociais para entender o que está sendo feito.

O Instagram, cujo dono é o Facebook, anunciou medidas para lidar com os abusos online, incluindo a remoção de contas de pessoas que enviam mensagens abusivas e o desenvolvimento de novos controles para ajudar a reduzir as agressões no ambiente virtual e disse que haverá "ações mais duras para quando tomarmos conhecimento de mensagens que violam nossas regras no Direct".

continua após publicidade

O Twitter afirmou que o "comportamento racista, abuso e assédio não têm absolutamente nenhum lugar em nosso serviço" e insistiu que trabalha para garantir que a plataforma "seja um lugar seguro para se expressar e acompanhar a conversa sobre futebol, sem medo de abusos ou intimidação".

Segundo a rede social, foram removidos mais de 5 mil tuítes dos 11 milhões que foram publicados no Reino Unido sobre futebol desde o início da temporada em 12 de setembro e tinham como alvo conversas que violavam as regras da plataforma.