Esportes

Grêmio cogita não enfrentar o Flamengo em caso de presença de torcida no Maracanã

Da Redação ·

Após o Flamengo conseguir autorização para receber público nos três próximos jogos como mandante, incluindo dois contra o Grêmio, o clube gaúcho avalia a possibilidade de não entrar em campo pelo jogo de volta das quartas de final da Copa do Brasil caso haja presença de torcedores no Maracanã, no dia 15 de setembro.

continua após publicidade

O diretor jurídico do Grêmio, Nestor Hein, confirmou a informação ao Estadão. "Na Copa do Brasil, foram estabelecidas diretrizes técnicas aceitas pelo Grêmio e pelo Flamengo, em que os jogos não teriam público no retorno se na ida não tivesse direito a público. O Flamengo interrompeu esse entendimento", disse.

Hein ainda afirmou que o jurídico do clube foi consultado e, após analisar a situação, sugeriu aquilo que imaginam ser a resposta adequada. No entanto, deixou claro que a sugestão do setor, que atua em caráter consultivo, pode não ser acatada. "O que o Grêmio fará, como vai deliberar, essa é uma questão do presidente do clube, do seu conselho de administração. Nossa recomendação é que não jogue."

continua após publicidade

Apesar disso, o diretor apontou que "normalmente nestes seis anos, as nossas sugestões tem sido acatadas". Mais cedo, em entrevista à Rádio Guaíba, Hein declarou que o Flamengo "vive em um mundo à parte". "Há regras a cumprir e nossa capacidade de conviver é pelas regras. A CBF diz que não haverá público em nenhum dos jogos e isso vale para nossa vida comum. Se não, vira o caos. Se o Grêmio não entrar em campo, estará cumprindo a regra da CBF. Vamos ganhar uma medalha", disse.

Na manhã desta quarta, 19 das 20 equipes da Série A chegaram a um consenso e decidiram que o Brasileirão seguirá sem público em setembro. Apenas o Flamengo, que obteve uma liminar junto ao Superior Tribunal de Justiça Deportiva (STJD) para colocar torcedores em "eventos-teste" no Maracanã, se recusou a mandar um representante à reunião. Os clubes planejam acionar o STJD para derrubar a liminar.