Esportes

Fórmula 1 determina vacinação obrigatória a todos no paddock na temporada 2022

Da Redação ·

Com um calendário recorde previsto em 2022 com 23 corridas - e inclusive o retorno de etapas canceladas devido à pandemia do novo coronavírus como Austrália e Cingapura -, será obrigatório a todos os presentes no paddock da Fórmula 1 a vacinação completa contra a covid-19. A informação foi veiculada primeiramente pelo jornal americano New York Times e pelo canal de TV inglês BBC e o entendimento é de que não haverá exceções.

continua após publicidade

Todos os pilotos, equipes, membros de staff, mecânicos, os diretores da Federação Internacional de Automobilismo (FIA, na sigla em francês), Liberty Media, FOM (Formula One Management) e celebridades convidadas precisarão estar em dia com todas as doses da vacina contra o vírus - além de qualquer outra personalidade presente no paddock da Fórmula 1.

"A Fórmula 1 exigirá que todos estejam totalmente vacinados e não solicitará isenções", disse um porta-voz da empresa que organiza a categoria.

continua após publicidade

A decisão foi tomada ainda em dezembro, no último mês da temporada 2021, durante o encontro do Conselho Mundial de Automobilismo da FIA, em Paris. Recentemente, o assunto entrou em pauta após o tenista sérvio Novak Djokovic se recusar a receber o imunizante e ser barrado de entrar na Austrália - país que a Fórmula 1 retorna em 2022 com a corrida a ser realizada nas ruas de Melbourne.

Resta saber como vai ficar a situação do piloto do safety-car, o sul-africano Alan van der Merwe, que se declarou contra a vacina e se recusou a receber a proteção. Com a impossibilidade de membros não-vacinados frequentarem o paddock, a Fórmula 1 precisará encontrar outra opção para o carro de segurança.

Em 2021, o titular se ausentou após contrair a covid-19 e foi substituído por Bruno Correia. Van der Merwe ainda perdeu as últimas corridas da temporada por não ter o passaporte de vacinação em dia.

Cabe ressaltar que as vacinas salvam vidas e são seguras. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), as vacinas contra a covid-19 foram testadas em grande escala, com testes controlados que incluem pessoas de ampla faixa etária, em todos os gêneros, etnias diferentes e em condições médicas conhecidas. As vacinas mostraram um alto nível de eficácia em todas as populações e são consideradas seguras e eficazes em pessoas com várias condições médicas distintas.