Esportes

Filho de Robert Scheidt conquista título no mesmo lugar onde o pai foi campeão

(via Agência Estado) ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

Tal pai, tal filho. Erik, filho de Robert Scheidt, conquistou título da vela no mesmo palco onde seu pai foi campeão mundial da classe laser há 18 anos. Com o apoio incansável do bicampeão olímpico, Erik Scheidt, de 12 anos, faturou o Optmist Training Regata em Bodrum, na Turquia.

continua após publicidade

"Foi um evento teste e o Erik velejou muito bem. Nem todo mundo que estará no Mundial competiu, então, o nível vai subir, mas o importante é que ele se divertiu, foi muito bem e está bastante animado. Foi uma semana bem especial para a família Scheidt", comentou Scheidt, que já subiu a cinco pódios olímpicos e espera ver o filho alçar voos tão altos quanto os seus.

Aos 49 anos, Robert Scheidt não deve marcar presença na Olimpíada de Paris-2024. Sua participação nos Jogos de Tóquio não terminOU conforme o esperado, assim como na Rio-2016. No Japão, o brasileiro terminou com o oitavo lugar, enquanto em território nacional ficou pela primeira vez fora de um pódio, com um quarto lugar. Além dos dois ouros (Atlanta-1996 e Atenas-2004), Scheidt ganhou duas pratas (Sydney-2000 e Pequim-2008) e um bronze (Londres-2012).

continua após publicidade

Com um histórico impressionante de conquistas e orgulho para o País na vela, Scheidt segue ativo na modalidade e quer inspirar os jovens a ingressarem no esporte, que é garantia de medalha para o Brasil. Kahena Kunze e Martine Grael são as estrelas da vela no momento e subiram no lugar mais alto do pódio por dois Jogos Olímpicos consecutivos. Filha de Torben Grael e sobrinha de Lars Grael, Martine é mais um bom exemplo de como a vela no Brasil é um esporte de herança familiar.

Erik Scheidt venceu duas regatas e ainda esteve em outros quatro pódios ao longo da competição. Com equilíbrio e regularidade, subiu ao lugar mais alto com 20 pontos perdidos, deixando para trás Weka Bhanubandh, da Tailândia (31 pontos perdidos) e o norte-americano Gilman Hackel (51 pontos perdidos). O próximo desafio é ganhar o Campeonato Mundial de Optmist, entre o fim de junho e o início de julho, novamente em Bodrum.