Esportes

Estreante em olimpíadas, Luana Lira fica fora da semifinal nos saltos ornamentais

Da Redação ·

Em sua estreia em uma edição dos Jogos Olímpicos, Luana Lira não avançou às semifinais dos saltos ornamentais. Na preliminar do trampolim de 3 metros, a brasileira fechou sua participação em Tóquio na 21ª colocação entre 27 competidoras e não conseguiu vaga entre as 18 semifinalistas na madrugada desta sexta-feira (horário de Brasília).

continua após publicidade

Na fase classificatória, são cinco saltos e os pontos são somados. Luana somou, no total, 244,35 pontos, distante significativamente dos 272,05 da australiana Anabelle Smith, a 18ª colocada e última a garantir vaga nas semifinais.

Shi Tingmao, da China, ouro no Rio-2016, liderou a primeira fase da competição, conseguindo 350,45 pontos, e sua compatriota, Han Wang avançou em segundo. As principais rivais das chinesas na final devem ser as canadenses Jennifer Abel e Pamela Ware. Elas terminaram a preliminar em terceiro e quarto lugar, respectivamente.

continua após publicidade

Luana fez um primeiro salto razoável que lhe rendeu 49,95. Na segunda tentativa, melhorou sua performance e conseguiu 54,00. Depois, errou o seu terceiro salto, um duplo e meio mortal em ponta pé à lua na posição carpada, e obteve apenas 26,00, pontuação que foi determinante para sua desclassificação.

A brasileira melhorou seus últimos dois saltos, conseguindo 50,40 e 54,00, mas a pontuação foi insuficiente para figurar entre as 18 semifinalistas.

"Eu estava muito ansiosa antes de competir e ao mesmo tempo feliz por disputar meu primeiro Jogos Olímpicos. Por um salto que errei, não consegui ir para a semifinal, foi por pouco", avaliou a atleta.

continua após publicidade

"Por tudo que eu passei, foi complicado até eu chegar aqui. Primeiro eu consegui a classificação por mérito, depois fui tirada, e finalmente fui classificada novamente. Só de estar aqui nos Jogos Tóquio 2020 estou muito feliz e honrada", completou ela, citando o drama que passou antes de competir em Tóquio.

Ela havia obtido a vaga ao alcançar as semifinais no Mundial de Tóquio da modalidade, mas a dois meses para a Olimpíada, a Federação Internacional de Desportos Aquáticos (Fina) mudou as regras, passando a considerar apenas os finalistas como classificados. No entanto, em junho, após a repercussão negativa, a Fina recuou e voltou a classificar os semifinalistas para os Jogos Olímpicos, para o alívio da jovem paraibana.

Luana é natural de João Pessoal (PB) e mora em Brasília há sete anos. Ela treina no Instituto Pro Brasil, no Centro de Excelência da Universidade de Brasília (UnB). A atleta de 25 anos participou de sua primeira Olimpíada. Seu melhor resultado na carreira foi o sexto lugar no Pan de Lima, em 2019.