Esportes

Estádio do Pacaembu terá hotel de luxo em prédio no lugar do tobogã, já demolido

Da Redação ·

A Allegra Pacaembu, detentora da outorga do Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho, o Pacaembu, pelos próximos 35 anos, concluiu no mês passado a demolição do tobogã e anunciou nesta terça-feira que o edifício que será erguido no local da antiga estrutura terá um hotel de luxo que ocupará dois andares.

continua após publicidade

A previsão é de que o estádio seja reinaugurado em novembro de 2023. Antes disso, a partir de janeiro do ano que vem, as arquibancadas amarela e verde serão abertas gratuitamente para o público acompanhar o andamento das obras.

Além do hotel, a ser criado a partir do acordo firmado com a Universal Music Hotels, rede hoteleira que é um braço da gravadora homônima, o novo prédio vai abrigar cafés, restaurantes, escritórios, espaços multifuncionais, um mercado gastronômico, um centro de convenções e eventos e um novo espaço para até 8,5 mil pessoas no subsolo do Pacaembu. São cinco andares e mais quatro subsolos. Na cobertura deste novo empreendimento haverá ainda uma praça elevada com acesso lateral para as ruas Desembargador Paulo Passaláqua e Itápolis, que cercam todo o complexo e a praça Charles Miller.

continua após publicidade

Embora reconheça que o perfil do público que passará a frequentar o espaço mudará, o CEO da concessionária, Eduardo Barella, entende que o novo Pacaembu não será elitizado, mas democratizado, com a nova lógica de utilização da estrutura, não mais restrita aos jogos de futebol e aberta a receber eventos culturais, como shows e mostras de arte.

"Nós estamos democratizando o Pacaembu e seu uso. O Pacaembu era focado somente no futebol, agora esse uso será ampliado para a cultura", argumentou Barella. "Esse espaço será inclusivo e democrático. Mas para isso precisamos fazer uma amarração com outras áreas".

O administrador afirmou que a tendência dos grandes estádios é diversificar sua utilização e considera que o público quer consumir "experiências". Mas ele garante que o Pacaembu não perderá seu charme, originalidade e, sobretudo, sua essência histórica. "O Pacaembu tem algo que nenhum novo empreendimento na cidade tem: história. A história construída no Pacaembu impulsiona essa experiência. É o público da música, do esporte, da cultura".

continua após publicidade

Nesta terça, Barella esteve no complexo acompanhado do prefeito Ricardo Nunes (MDB) para dar detalhes da construção do hotel, que terá vista para o gramado. O estádio foi aberto pela primeira vez desde a demolição do tobogã, local onde se acomodavam os torcedores com ingressos mais baratos. Essa lógica será alterada quando o estádio for reinaugurado.

Embora ainda não dê para projetar o valor que será cobrado pelas entradas, é certo que o ticket médio vai aumentar. Mas para o CEO da concessionária, haverá espaço para o público com maior poder aquisitivo e também para aqueles que não podem pagar muito para assistir a um jogo ou evento musical. Sem o tobogã, o estádio terá sua capacidade reduzida para 25 mil pessoas.

"Aqui, antes, o ticket médio era de R$ 27. O cara que queria hospitalidade não vinha no Pacaembu e não estamos excluindo os que pagavam o ingresso mais barato. Vamos ter aqui um estádio com a mesma média de público de antes com efeito de caldeirão", opina o empresário. "Estamos montando um projeto democrático que eleva o ticket médio, mas sem deixar fora o torcedor que compra o ticket mais barato", reforça.

continua após publicidade

Ele afirmou que tem conversado com presidentes de vários clubes e garantiu que o estádio continuará sendo utilizado pelas equipes a partir de sua reinauguração. O Palmeiras, por exemplo, não poderá em várias datas de 2022 utilizar o Allianz Parque em razão da agenda cheia de shows no ano que vem. Mas também não poderá mandar seus jogos no Pacaembu, ainda em obras. Por enquanto, os dirigentes não podem dar um garantia de utilização pois isso depende dos resultados do time em campo. "A nossa ideia é falar para o clube não pagar mais o aluguel para nós, e sim ser nosso sócio no matchday", diz o líder do consórcio vencedor da concessão.

Barella, que é corintiano fanático, planeja transformar o Pacaembu em palcos de espetáculos, "algo que se aproxima do conceito americano", segundo ele. "Quem for ao estádio não vai apenas para o jogo. A pessoa vai comer no restaurante, vai bater bola com ex-jogadores nas ativações de marketing".

continua após publicidade

Sua ideia é transformar o complexo em "um hub de experiências que vai resgatar os pilares de cultura e lazer e potencializar o seu uso esportivo". O prefeito Ricardo Nunes disse que a concessão do Pacaembu à iniciativa privada "melhora o ambiente de esportes em São Paulo", e "fortalece os negócios e o turismo da cidade".

NOVO PACAEMBU - A Allegra Pacaembu assumiu o complexo do Pacaembu em 2020. A concessionária pagou R$ 111 milhões pelo direito de gerir o local por 35 anos. Além do pagamento das outorgas fixa e variável, a concessionária está investindo cerca de R$ 400 milhões na recuperação e modernização do complexo e na construção de novo edifício, no lugar do antigo tobogã, já demolido, e planeja arrecadar R$ 100 milhões anualmente com o novo centro de esportes, entretenimento e cultura a partir do terceiro ano de uso.

O Pacaembu é tombado e a remoção do tobogã foi autorizada previamente pelos órgãos responsáveis pelo patrimônio histórico da cidade (Conpresp e Condephaat). A demolição teve início no fim de junho e foi concluída em outubro.

A obra foi alvo de decisão judicial de 31 de março, quando uma liminar impediu o início da reforma sob alegação de que a intervenção no conjunto preservado feria o patrimônio histórico ao prever a derrubada do Tobogã, a arquibancada construída em 1970, 30 anos depois da inauguração do Pacaembu. Mas uma nova decisão, de 16 de junho, anulou a anterior.

A reforma, que vai durar até 28 meses, não incluiu a área tombada pelo patrimônio histórico e na qual está instalado, por exemplo, o Museu do Futebol. A previsão é que a reinauguração do estádio aconteça em novembro de 2023. As arquibancadas serão reformadas e

A piscina e o centro esportivo continuam de uso público, com acesso gratuito, exceto quando houver reserva para eventos ou locação. Para frequentar esses equipamentos, que estão fechados no momento, basta ser sócio do Pacaembu.