Esportes

Chefe da WTA diz que suspensão de torneios na China poderia ir além de 2022

Da Redação ·

Presidente e CEO da Associação do Tênis Feminino (WTA, na sigla em inglês), Steve Simon afirmou que a suspensão dos torneios chineses, em retaliação à situação da tenista Shuai Peng, poderá ir além de 2022. A entidade vetou as competições na China no calendário enquanto não houver transparência na investigação no caso da duplista.

continua após publicidade

"Temos esperança de chegar ao lugar certo, mas estamos preparados para o caso de a situação não mudar - e a situação não está produtiva até agora - e não vamos estar operando na região", declarou Simon, em entrevista à agência de notícias The Associated Press. "Este é um esforço da nossa organização e que trata sobre o que é certo e o que é errado."

Simon reforçou que a decisão de tirar provisoriamente os torneios chineses do calendário, incluindo Hong Kong, contou com apoio do Conselho de Diretores da WTA, das tenistas, dos demais torneios e dos patrocinadores. Trata-se da maior demonstração de força feita por uma entidade esportiva contra a China.

continua após publicidade

"Nossa abordagem neste assunto e nossa demanda às autoridades são legítimas e vamos seguir com elas. Nós realmente queremos ter uma conversa com Peng e saber, num ambiente confortável, se ela realmente está segura e livre e se não foi censurada, intimidada ou algo do tipo", declarou Simon.

"Ainda não tivemos a oportunidade de ter essa conversa para termos a tranquilidade de saber que o que estamos vendo não está sendo orquestrado até agora. O segundo elemento nesta história é que queremos uma completa e transparente, sem qualquer nível de censura, investigação quanto às alegações que ela fez."

A China costuma receber 10 torneios do circuito feminino por ano, incluindo o WTA Finals, o mais importante depois dos Grand Slams. A competição, que reúne as oito melhores tenistas e duplas da temporada, vem sendo disputada em solo chinês há uma década. E costuma ser uma poderosa fonte de renda para a WTA.

continua após publicidade

De acordo com o jornal americano The New York Times, o circuito, tanto masculino quanto feminino, já perdeu cerca de US$ 30 milhões em premiação com o cancelamento dos torneis no país asiático em razão da pandemia de covid-19. A China não sedia uma competição de tênis do circuito desde janeiro de 2020.

Somente o WTA Finals, realizado em 2019 na cidade de Shenzhen, vem batendo recordes de premiação. Naquela edição, foram distribuídos US$ 14 milhões às atletas. A campeã, a australiana Ashleigh Barty, embolsou US$ 4,42 milhões, maior premiação para um torneio de tênis na história até hoje.

O presidente da WTA afirmou que as competições no país não foram canceladas e poderão ser retomadas, desde que a China mostre transparência na investigação. "Mas estamos preparados para chegar a este ponto. Poderá ser apenas em 2022? E quanto ao futuro? São perguntas que vamos responder assim que possível."

continua após publicidade

ENTENDA O CASO - Ex-número 1 do mundo nas duplas e campeã de Grand Slam, Shuai Peng denunciou o ex-vice-primeiro-ministro da China, Zhang Gaoli, de 75 anos, por suposto abuso sexual numa publicação na Weibo, rede social chinesa equivalente ao Facebook, fortemente fiscalizada pelo Partido Comunista Chinês, no dia 2 de novembro. Poucos minutos depois, todos os seus posts foram derrubados e o termo "tênis" foi censurado da plataforma, assim como os nomes da tenista ou de Zhang.

A agressão teria ocorrido em 2018, segundo Peng. Ela teria sido coagida pelo político, casado, a fazer sexo. A tenista conta que resistiu e chorou antes de acabar cedendo. Nos três anos seguintes, ambos viveram um caso extraconjugal descrito como "desagradável" pela jogadora de 35 anos. Na publicação, a tenista disse que não poderia apresentar evidências que sustentassem sua afirmação pois a relação de ambos era muito restrita.

continua após publicidade

Peng e Zhang se começaram a se relacionar em 2011, quando se conheceram em Tianjin. Segundo a tenista, eles tiveram uma única relação, consensual, no decorrer daquele ano. Ela dá a entender também que houve uma segunda relação pouco antes dele ser promovido e se ver obrigado a cortar relações com a atleta.

Após a denúncia, Peng desapareceu das redes sociais e a WTA não conseguiu entrar em contato com ela. Foram três semanas de silêncio até que a canais de comunicação estatais da China começaram a publicar fotos e até vídeos dela em casa. As publicações não convenceram a WTA e demais entidades.

Nem mesmo a entrevista, por videoconferência, feita pelo presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, tranquilizou a comunidade do tênis. Na conversa, Bach não tratou da denúncia de abuso sexual. Numa segunda conversa por vídeo com o COI, a situação se repetiu. E a WTA seguiu pedindo "provas verificáveis" de que a tenista estava bem, ganhando o apoio da ONU e da União Europeia.

Peng se tornou uma referência do esporte na China depois de conquistar, em parceria com a taiwanesa Hsieh Su-wei, os torneios de duplas de Wimbledon, em 2013, e de Roland Garros, no ano seguinte. Após a vitória em Paris, as duas permaneceram 20 semanas na liderança do ranking mundial de duplas. No mesmo ano, Peng também conseguiu o melhor resultado em um Grand Slam de simples ao alcançar as semifinais do US Open.

Em sua carreira, ela conquistou 23 torneios de nível WTA em duplas e dois em simples, com uma premiação de quase US$ 10 milhões. Atualmente, Peng é a tenista número 191 no ranking de duplas e não disputa um torneio WTA desde o Torneio do Catar, em fevereiro de 2020, pouco antes da pandemia interromper as competições durante quase cinco meses.