Esportes

Bernie Ecclestone, ex-chefe da Fórmula 1, é acusado de fraude fiscal de R$ 2,5 bi

(via Agência Estado) ·
Receba notícias no seu WhatsApp!
Participe dos grupos do TNOnline

Bernie Ecclestone, ex-chefe da Fórmula 1, será acusado de fraude por falsa representação após uma investigação do governo britânico sobre seus ativos no exterior. A denúncia foi feita por promotores britânicos nesta segunda-feira.

continua após publicidade

Andrew Penhale, procurador-chefe, disse depois de analisar as evidências do departamento fiscal, que as autoridades autorizaram uma acusação contra Ecclestone por sua falha em declarar ativos no exterior no valor de mais de 400 milhões de libras (cerca de R$ 2,5 bilhões).

Simon York, da Receita e Alfândega, disse que o anúncio foi feito após uma investigação "complexa e mundial" sobre as finanças do empresário de 91 anos. "A acusação criminal refere-se a obrigações fiscais projetadas decorrentes de mais de 400 milhões de libras de ativos offshore que foram escondidos da Receita e Alfândega da Majestade", disse York. "Nossa mensagem é clara - ninguém está além do nosso alcance.". Espera-se que o caso seja ouvido no Tribunal de Magistrados de Westminster, em Londres, em 22 de agosto.

continua após publicidade

Ecclestone comandou as corridas de Fórmula 1 e controlou a principal modalidade do automobilismo por quatro

décadas de 1970 a 2017, quando deixou o cargo de presidente-executivo e a Liberty Media assumiu a série.

Ecclestone, que é casado com a advogada brasileira Fabiana Flosi, foi preso no Brasil, onde tem uma propriedade, em maio por carregar uma arma na bagagem enquanto embarcava em um avião. Foi liberado após pagar fiança de R$ 6 mil.