Esportes

Bartomeu critica atual presidente do Barcelona: 'Nossa gestão não foi nefasta'

Da Redação ·

A crise financeira do Barcelona é complicada e o clube vem sentindo isso no dia a dia. Muitos culpam a gestão de Josep Maria Bartomeu como a responsável pela atual situação do clube espanhol e um dos críticos é o atual presidente Joan Laporta, que tem feito críticas à diretoria anterior. Bartomeu se defendeu das críticas e retrucou o presidente.

continua após publicidade

"Este verão (na Europa) deixaram o Messi sair e, essa sim, me parece ter sido uma má decisão. Jogar sem Messi representa mudar muitas coisas", disse o ex-mandatário do Barcelona. "Eu como presidente não quis que o Messi saísse e fiz tudo o que foi possível para que ele não deixasse o clube".

Laporta justificou a saída do astro argentino com a débil situação financeira do clube, mas Bartomeu rebateu. "O clube não está em risco, é viável, tem muitos recursos. Estão criando um discurso alarmista. As perdas causadas pela covid-19 não vão levar o clube à falência, o Barcelona tem ativos de jogadores, bens patrimoniais e digitais".

continua após publicidade

O ex-presidente defendeu o trabalho "sério e responsável" que foi realizado pela sua direção. "A nossa gestão não foi nefasta, é isso que dizem a LaLiga (empresa que organiza o Campeonato Espanhol), a Uefa e os auditores. Com 180 milhões (de euros, cerca de R$ 1,14 bilhão na cotação atual) de receitas e com a Forbes a nos classificar como o clube mais valioso do mundo. Essa gestão séria e rigorosa acabou por ser traída pelo aparecimento da pandemia, que levou a uma quebra das receitas na ordem dos 500 milhões (de euros, aproximadamente R$ 3,17 bilhões)".

Bartomeu garante também que ninguém da sua direção tirou dinheiro do clube. "Não tenho medo, ninguém da minha direção meteu as mãos na caixa. É uma coisa que não poderíamos esconder e depois de tantos meses já se saberia. Podem dizer o que quiserem", afirmou.

O ex-presidente saiu também em defesa de Ronald Koeman, treinador holandês que foi contratado sob a sua liderança. "Está preparado, mas é preciso ter paciência para que consiga construir uma equipe sem a presença do melhor jogador do mundo. Penso que há muito talento no plantel, sobretudo talento jovem", finalizou.