Esportes

Atletas do Zorya deixam Ucrânia; brasileiros de Shakhtar e Dínamo chegam ao País

Da Redação ·

Guilherme Smith, Juninho Reis e Cristian Dal Bello, jogadores brasileiros que atuam no Zorya Luhansk, finalmente conseguir cruzar a fronteira da Ucrânia e chegar em território polonês nesta terça-feira. Foram mais de três dias tentando deixar a zona de conflito e chegar ao país vizinho, enfrentando frio e falta de apoio.

continua após publicidade

Já um outro grupo, com jogadores dos dois maiores clubes da Ucrânia, Shakhtar Donetsk e Dínamo de Kiev, começou a chegar ao Brasil nesta manhã, dividido entre Rio de Janeiro e São Paulo. Os atletas e familiares atravessaram a fronteira pela Romênia e fizeram escala em outros aeroportos na Europa antes de pegar o voo definitivo para o Brasil.

O lateral-esquerdo Juninho, que está acompanhada da mulher e do filho Benjamin de 3 anos, e festejou pelas redes sociais a saída da Ucrânia. "Graças a Deus está dando tudo certo agora. Não temos como agradecer a todos que ajudaram e rezaram por nós", declarou ao mostrar a família emocionada dentro de uma van.

continua após publicidade

Entre sábado e domingo, o grupo com cinco brasileiros tentou atravessar a fronteira a pé, após cruzar o país de trem, saindo de Zaporizhzhya com destino a Lviv. Eles enfrentaram frio intenso, de 1ºC, e chegaram a acender uma fogueira. Sem sucesso, retornaram a Lviv para um hotel indicado pela embaixada brasileira. Uma nevasca impediu nova tentativa horas depois. Na segunda-feira, havia a promessa de que um trem partindo da mesma cidade, que levaria os brasileiros à Polônia, mas a viagem foi cancelada.

Nesta terça-feira, no entanto, a história foi diferente, e os brasileiros conseguiram sair do território ucraniano. "O dia 1º de março ficará marcado em nossas vidas. Conseguimos atravessar a fronteira para a Polônia. Estamos todos bem. Nos esperem, família, estamos chegando", publicou o atacante Cristian Dal Bello em seu perfil nas redes sociais.

JOGADORES DE SHAKHTAR E DÍNAMO CHEGAM AO BRASIL - Diferentemente dos jogadores do Zorya Luhansk, os atletas e funcionários brasileiros do Shakhtar Donetsk e do Dínamo de Kiev partiram da capital ucraniana para a Romênia ainda no sábado. Antes, ficaram hospedados em um bunker de um hotel em Kiev. Mesmo com o apoio da embaixada, precisaram aguardar para conseguir um voo de volta ao Brasil, e o grupo foi dividido, com alguns ficando na Romênia e outros na Moldávia.

continua após publicidade

Na manhã desta terça-feira, a maioria dos atletas e seus familiares desembarcaram no País. Júnior Moraes, que tem nacionalidade ucraniana, segue na França. Entre os atletas que chegaram no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, estão Maycon e Pedrinho, ex-Corinthians, e Dodô, ex-Coritiba.

RIO DE JANEIRO - Mais dois jogadores brasileiros que atuavam em times de futebol na Ucrânia desembarcaram na manhã desta terça-feira no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro, o Galeão. Marlon Santos, do Shakhtar Donetsk, e Bruno Ernandes, do Hirnyk-Sport, conseguiram deixar a Europa num voo de Bucareste, na Romênia, com uma escala em Paris, na França.

"Eu tinha sempre uma esperança de que conseguiria sair, mas às vezes o medo e o desespero tomavam conta", contou Marlon, que desembarcou acompanhado da mulher e dos filhos, após três dias de viagem. O atleta também contou que viu a movimentação de tropas do exército e helicópteros, mas não chegou a presenciar bombardeios. "Existiu muito essa tensão, mas graças a Deus, no fim, conseguimos sair de lá", relatou o jogador.

continua após publicidade

Bruno Ernandes foi recebido no aeroporto pela noiva, mãe e pai, além de outros integrantes da família. "A ficha ainda não caiu direito, e graças a Deus estar com a minha família era tudo o que eu mais queria", celebrou Ernandes. "O que eu mais quero é comer a comida da minha mãe", declarou. Bruno conta que fugiu do conflito na Ucrânia pela fronteira com a Moldávia, seguindo depois até a Romênia, onde se reuniu com outros jogadores que atuavam em times ucranianos e conseguiu embarcar num voo de volta para o Brasil.

"Ele estava o tempo inteiro falando comigo, me dando notícias, porque estávamos muito preocupados", contou Kamila Amaral, de 20 anos, noiva de Bruno. "O dia mais tenso foi quando (a guerra) começou, porque ele já estava dormindo, e eu vendo as notícias daqui", relembrou. Após o reencontro, familiares estavam ainda emocionados, porém aliviados.

"Você não tem noção do alívio que é. Não conseguir dormir... Na verdade eu já não dormia desde quinta-feira (24). A gente estava contando os minutos pra ele chegar. Hoje estou aliviada, graças a Deus. Meu filho chegar era tudo o que eu estava pedindo a Deus", desabafou Elaine Ernandes, mãe de Bruno.