Esportes

Muricy dá conselhos para Neymar sobre paternidade

Da Redação ·

Enquanto Muricy Ramalho espera a contratação de um psicólogo para o time do Santos, o profissional não chega, o treinador se encarrega de controlar os nervos dos jogadores e de contornar situações complicadas. Depois de mudar o comportamento do time, que evita reclamar de árbitros e da violência dos adversários, ele tenta tirar o melhor da futura paternidade de Neymar ao mostrar para o atacante que o nascimento de um filho sempre é motivo de comemoração e que o jovem tem que levar para dentro de campo a sua felicidade.


"Conversei com Neymar na Colômbia. Nós dois nos atrasamos e ficamos sozinhos no elevador do hotel. O que eu disse para ele é que a coisa mais importante na vida é ter um filho e que ele tem que desfrutar dessa alegria. No começo Neymar estava assustado, mas depois ficou feliz e mostrou isso no jogo (contra o Once Caldas). Só procurei deixá-lo à vontade. São coisas positivas, bonitas e quando isso acontece a gente tem que dar moral e falar o que vai acontecer daqui para frente na carreira dele", disse comandante santista.


Na última coletiva de imprensa antes da final do Paulistão, realizada na tarde deste sábado, no CT Rei Pelé, Muricy afirmou que tem conversado com os jogadores e que o momento é de simplificar as coisas e também de seriedade.


"Falo para eles toda hora que estamos vindo de resultados importantes porque temos respeitados os adversários e será assim que vamos enfrentar o Corinthians amanhã", afirmou, recusando-se a admitir que o Santos é favorito por ter empatado no primeiro jogo das finais (0 a 0, no Pacaembu, domingo passado) e por decidir em casa, com apoio a torcida.


Ele também diz estar preparado para um possível vice. "Não fui contratado apenas para alguns jogos, mas para um ano de trabalho. Queriam que o contrato fosse por dois anos. Mas, sempre espero ganhar. Desde que cheguei só disputamos decisões e o time soube suportar bem a pressão até aqui".


No último dia de preparação para a disputa do título paulista, os santistas disputaram um rachão e depois todos os jogadores ensaiaram cobrança de pênaltis. Rafael defendeu três - dois Alan Patrick e um de Bruno Aguiar - e ainda converteu o seu, com Aranha no gol. Muricy antecipou que, se a decisão do título for para os pênaltis, o goleiro poderá será um dos cinco batedores.

continua após publicidade