Esportes

Santos vence Once Caldas por 1 a 0

Da Redação ·
 Neymar comanda o Santos na vitória sobre o Once Caldas
fonte: Reuters
Neymar comanda o Santos na vitória sobre o Once Caldas

Muito prazer, este é Neymar. O jornal colombiano "Q'Ubo" publicou, nesta quarta-feira, uma matéria com a manchete "Once pergunta: Ney quem?", referindo-se ao atacante do Santos. E o camisa 11 respondeu em campo, na vitória por 1 a 0 sobre o Once Caldas, à noite, no estádio Palogrande. Ele assumiu a responsabilidade e acumulou até as funções do amigo Ganso, machucado. Driblou, deu passe para o gol de Alan Patrick e resolveu o jogo. Certamente a cidade de Manizales e o jornal local não esquecerão mais da visita do craque santista. O lado negativo é que Neymar não deixou o campo sorrindo por conta da ótima atuação, mas sim chorando após sofrer uma falta dura.

continua após publicidade


O resultado no primeiro jogo das quartas de final da Taça Libertadores permite ao Peixe jogar pelo empate na próxima quarta, às 22h (de Brasília), no Pacaembu. Se vencerem por 1 a 0, os colombianos levam a decisão da vaga para os pênaltis. Agora, o Santos fará a longa viagem de volta ao Brasil e passará a se concentrar apenas no duelo final contra o Corinthians, neste domingo, as 16h, na Vila Belmiro, pela final do Paulistão.


Torcida local dá apoio, mas Neymar toma conta do jogo

continua após publicidade


A festa da torcida colombiana no estádio Palogrande foi enorme. Todos os ingressos foram vendidos, e cerca de 31 mil pessoas vibraram com a queima de fogos e cantaram o tempo todo para incentivar o Once Caldas. O estímulo foi retribuído logo aos cinco minutos. A primeira boa chance do jogo foi do anfitrião, com Rentería, que cabeceou para fora a bola após cruzamento de Moreno. Neymar tentou dar o troco menos de 30 segundos depois. Ele tabelou com Zé Eduardo e chutou forte, ao entrar na área, mas também para fora.


Neymar cumpriu o que prometeu: que faria a função do Ganso na ausência do amigo, tentando compensar a falta que o meia faz ao time. Sempre que a bola esteve com ele, o Santos levou perigo. O atacante, ao lado de Zé Eduardo, fazia as melhores jogadas. Mas a marcação era forte. Muitas faltas, e nada de o árbitro Juan Soto marcar. A pontaria ruim também foi o destaque do primeiro tempo, dos dois lados.