Esportes

Com londrinenses, Seleção de ginástica rítmica vive grande fase

Da Redação ·
Seleção Brasileira de GR durante competição em Portugal; à direita, a técnica londrinense Camila Ferezin
fonte: Divulgação
Seleção Brasileira de GR durante competição em Portugal; à direita, a técnica londrinense Camila Ferezin

A Seleção Brasileira de Ginástica Rítmica de Conjunto, que tem como integrantes as londrinenses Camila Ferezin (técnica) e Débora Falda (ginasta), ambas da Unopar, atravessa um grande momento.

continua após publicidade


Com um grupo bastante reformulado, o Brasil já conseguiu, neste ano, receber a nova técnica, uma assistente técnica, seis novas ginastas, criar novas séries, se adaptar a elas, competir bem em duas etapas da Copa do Mundo e, ainda, receber a notícia da conquista da vaga para o Mundial pré-olímpico.


Tudo isso aconteceu desde fevereiro, quando chegaram a treinadora londriense Camila Ferezin, a assistente Iracema Alves, e as seis novas ginastas, Débora Falda, Bianca Mendonça, Daiane Amaral, Luiza França, Maria Caroline Ricardo e Mariana Vieira. Essas atletas se juntaram a Luísa Matsuo, Letícia Dutra, Jéssica Maier e Pâmela Oliveira, no trabalho diário realizado no Centro de Treinamento da Ginástica Rítmica, em Aracaju (SE).

continua após publicidade


Se o foco inicial do ano estava direcionado aos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, em outubro deste ano, no México, agora, o Conjunto do Brasil passa a ter dois grandes campeonatos na programação de 2011, já que, por uma punição à Federação da Coréia do Norte e a recusa da Geórgia, o Brasil foi convidado para o Mundial deste ano, que será em setembro, na França. O convite foi aceito e a Seleção Brasileira estará no campeonato que classificará os seis primeiros países para as Olimpíadas de Londres/2012.


Além disso, o Mundial da França classificará outros seis países para o evento teste, em janeiro de 2012, já em Londres. Entre eles, os quatro primeiros colocados completam o grupo dos 10 que estarão nas Olimpíadas. Sendo que há necessidade de ter um representante de cada continente.


Tudo isso vem mexendo com a cabeça e o planejamento de todos da Seleção Brasileira de Ginástica Rítmica de Conjunto. A técnica Camila Ferezin mal chegou de Kiev, na Ucrânia, onde o Brasil ficou na sexta colocação geral na etapa da Copa do Mundo, e já está com algumas mudanças em mente. A Seleção chegou hoje (10) a Aracaju e Camila já estuda as alterações.

continua após publicidade


"Vamos mudar a música da série de arco e fita. Agora as metas são outras, outros rumos e, com isso, tudo muda. Queremos uma música brasileira para essa série e já estou ouvindo algumas para poder escolher a melhor. Nessas duas etapas de Copa do Mundo percebemos que muitos países estão atentos ao nosso ritmo, utilizando músicas brasileiras. Com isso, a nossa coreografia não muda, sofre apenas alguns encaixes nos exercícios que já estão treinados", explicou Camila Ferezin.


Ginasta mais experiente do conjunto brasileiro, Luísa Matsuo, de 22 anos, tem a função de liderar o grupo no dia a dia. Exigente, Luísa afirma estar satisfeita após as duas primeiras competições do ano: Copa do Mundo de Portimão, em Portugal, de 28 a 30 de abril, e Copa do Mundo de Kiev, na Ucrânia, que foi de 6 a 8 de maio.


"Acho que, depois de apenas dois meses de treinos, conseguimos um resultado muito positivo. Foi ótimo para o grupo amadurecer, pois é importante competir e se apresentar o máximo possível. E o fato de ter conseguido essa vaga para o pré-olímpico serviu como um incentivo a mais para o grupo que já estava bem motivado", garantiu Luísa Matsuo.


Depois de duas semanas de viagens, a Seleção Brasileira de Conjunto ganha folga até o próximo domingo (15). Mas o período não é de descanso total. Depois de um ritmo acelerado de treinos e de competições, as ginastas utilizarão o tempo livre no trabalho de fisioterapia para que possam voltar a treinar, na semana que vem, com 100% de disposição e energia.