Esportes

Botafogo tenta vencer Duque de Caxias para presentear Joel

Da Redação ·
 Jogadores querem presentar 100 jogos do técnico com vitória nesta noite na Taça Rio
fonte: AP
Jogadores querem presentar 100 jogos do técnico com vitória nesta noite na Taça Rio

O Botafogo de hoje nada tem a ver com o que começou a temporada. Pelo menos na sua postura e na maneira de agir dos seus jogadores dentro de campo. Um elenco despedaçado pela goleada de 6 a 0 sofrida para o Vasco saiu das cinzas para conquistar o título da Taça Guanabara, primeiro turno do Campeonato Carioca. O maior responsável pela reação: o técnico Joel Santana. Os atletas alvinegros são gratos e por isso querem retribuir dando a ele de presente a vitória nesta quinta-feira, às 21h50 (de Brasília), quando o Glorioso recebe o Duque de Caxias no Engenhão, no Rio de Janeiro (RJ), pela segunda rodada do segundo turno do Estadual, a Taça Rio.

O motivo de os jogadores estarem dispostos a presentear Joel é que o treinador vai completar contra o representante da Baixada Fluminense a marca de cem partidas à frente do Botafogo. O treinador foi o comandante do Alvinegro em 1997, ano em que conquistou o Campeonato Carioca. Depois dirigiu a equipe em 2000, dessa vez em uma passagem apagada.

"O Joel Santana é um verdadeiro paizão para este grupo, que esteve sempre do nosso lado desde que assumiu, passando muitas coisas importantes em termos de conceito. Ele está sempre com o grupo, mas também cobra muito de todos nós. Apesar disso conta com o respeito de todos os jogadores. Vamos lutar muito por um resultado positivo", elogiou o zagueiro Fábio Ferreira.

Muito criticado desde que começou o ano e se acostumando a deixar o gramado sempre vaiado, o volante Fahel é outro a enaltecer o trabalho de Joel Santana. O treinador recuou o atleta para a zaga e desde então o seu futebol evoluiu.

"O Joel Santana foi muito importante para mim e sempre me ajudou desde a sua chegada ao clube. Acreditou muito em mim e me ajudou a melhorar o meu futebol. Com certeza vou fazer de tudo para que o Botafogo conquiste um resultado positivo", agradeceu Fahel.

O treinador vê a importância de uma vitória sobre o Duque de Caxias muito maior do que a retribuição de um presente. Apesar disso se sente emocionado com a marca. "Para mim é uma honra muito grande chegar ao Botafogo pela terceira vez e completar essa marca pelo clube. Fico fez de estar conquistando o reconhecimento dos jogadores e de ter tido bons resultados. Mas isso é fruto principalmente do bom trabalho que eles estão realizando dentro de campo", afirmou o comandante.

Caso derrote o Duque de Caxias o Botafogo chegará a seis pontos no Grupo B, mantendo os 100% de aproveitamento, uma vez que começou a disputa fazendo 3 a 1 no Americano, em Campos. Para este compromisso Joel Santana vai repetir a escalação, pois segue sem contar com o lesionado zagueiro Antônio Carlos e com o lateral direito Alessandro, que continua liberado pelo clube para resolver problemas particulares.

A única dúvida da equipe está no ataque, onde Joel Santana vai esperar até minutos antes do jogo para saber se poderá contar com o uruguaio Loco Abreu, que viajou para a Europa para servir à seleção de seu país no amistoso contra a Suíça. Ele retorna nesta quinta-feira ao Brasil e se tiver em condições de jogo vai a campo. Mesmo assim, Caio vai ficar de sobreaviso.

Pelo lado do Duque de Caxias, o técnico Álvaro Miranda vai repetir a escalação que derrotou o América por 1 a 0 na estreia na Taça Rio. O treinador acredita que sua equipe tem condições de conquistar um bom resultado mesmo jogando no Engenhão. Mas para isso entende ser necessária muita obediente tática.

"O Duque de Caxias tem bons valores individuais e boas condições de obter um resultado positivo nesta quinta-feira, mesmo jogando no Engenhão, onde o Botafogo é ainda mais forte. Porém precisaremos de muita obediência tática, de ocupação de espaços e de futebol solidário, uma vez que nosso rival é muito bem armado pelo seu treinador", disse Álvaro.


 

continua após publicidade