Facebook Img Logo
Mais lidas
Esportes

Técnico Fábio Carille projeta equipe com inspiração no time campeão de 2012

.

ALEX SABINO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Fabio Carille, 44, é um treinador mais confiante em 2018. Inexperiente ao ser escolhido no ano passado, derrubou o receio inicial em relação ao seu nome com os títulos brasileiro e paulista.

Nas suas próprias palavras, há um ano ele se preocupava apenas com o resultado. Se entrasse em campo para disputar par ou ímpar, precisava vencer de qualquer jeito.

Bem mais cheio de certezas, ele coloca o Corinthians em campo neste domingo (18), às 16h , contra o Bragantino, no Pacaembu, pelas quartas de final do Estadual.

"Hoje me sinto mais seguro. Nunca houve desrespeito dos jogadores, mas sinto que eles acreditam muito mais no que eu falo. As coisas deram tão certo no ano passado que eles sabem o tanto que eu estudo e busco informações", disse Carille, em entrevista à reportagem na última quinta (15), um dia após a vitória por 1 a 0 sobre o Deportivo Lara (VEN), pela Libertadores.

Ele saiu do estádio na madrugada de sexta (16). Na manhã seguinte, às 9 horas, já estava no Centro de Treinamento, apesar de o treino estar marcado para às 15h30.

Esta temporada será diferente. O Corinthians, atual campeão nacional, não é mais surpresa. Ninguém vê Carille mais como um novato. E há a Libertadores. Em 2012, quando o time foi campeão do torneio, ele era auxiliar de Tite. No planejamento do elenco de 2018, o que buscou foi repetir a fórmula que deu certo há seis anos.

"A ideia é essa. A gente precisa ser mais agressivo, terminar melhor as jogadas. Ainda acho que a equipe é baixa e na hora da bola parada isso pode fazer a diferença. Fez diferença para a gente com o gol do Paulinho [nas quartas de final] contra o Vasco em 2012", relembra.

As voltas de Ralf e Emerson Sheik, integrantes do time campeão da Libertadores e Mundial, foram com isso em mente. Não pelo fato de terem feito parte daquele elenco, mas por oferecerem algo que o Corinthians não tinha. Para Carille, Ralf dá mais liberdade em campo para Gabriel (ou Paulo Roberto ou Renê Júnior) atuar como segundo volante. E Sheik é opção de velocidade, experiência e estrela em torneio que, pelas palavras do próprio técnico, a equipe tem de ser "cascuda".

Embora saiba das dificuldades financeiras para reforços (ele ainda espera o substituto para Jô no ataque), o planejamento para 2018 foi mais sossegado, sem estresses. Ele sabe dizer com exatidão o momento em que fez a transição de auxiliar (o que foi durante oito anos seguidos) para treinador.

Aconteceu em 22 de fevereiro de 2017, no vestiário do Itaquerão, durante o intervalo do clássico contra o Palmeiras, pelo Paulista. O Corinthians, ainda em formação, estava com um a menos por causa da expulsão de Gabriel e os jogadores, revoltados com a arbitragem.

"Eu vi todo mundo preocupado e eu sabendo que teria de fazer algo diferente. Acalmei o vestiário, organizei as duas linhas [na defesa e meio-campo], falei que era para esquecer o árbitro e todo mundo olhava para mim assim... [faz cara de assustado] Fizemos segundo tempo em que fomos premiados no final. Naquele momento, tudo mudou", diz sobre o jogo em que sua equipe venceu por 1 a 0.

Hoje ele não teria tanto problema para dar instruções para Roberto Carlos e Ronaldo, como aconteceu em 2010, ao assumir o time pela primeira vez de forma interina. Confessa que aquele período foi "pesado". O que poderia dizer para aqueles nomes mais experientes do que ele?

"Hoje eu estaria mais calejado", resume.

Foi por estar calejado que ele confessa ter abdicado de acompanhar a imprensa esportiva. É o momento em que Carille fica mais eloquente. Não lembra a data em que parou de ler notícias, ouvir programas esportivos no rádio ou vê-los pela TV. Foi há quatro ou cinco anos.

Questionado se não consome as informações para não se irritar ou para não se influenciar, responde "os dois". Mas o tom da explicação deixa claro que a primeira alternativa é a mais forte.

"Se a gente começar a escutar e se preocupar demais, o resultado vai ser ruim. Esses programas de TV de três ou quatro horas têm de inventar. Sabe o que parece? Que o cara acorda e pensa: 'hoje vou dizer que o Ibra vai para o Corinthians'. E quem falou? 'A fonte.'. E o negócio toma proporção enorme que prejudica. Foi o caso do Drogba no ano passado. Alguém divulgou que eu tinha vetado o Drogba e o frentista no posto de gasolina veio me falar 'você vetou o Drogba? Está louco?', sendo que isso nunca chegou para nós", afirma.

Ficar centrado no seu mundo pode ser ruim aos olhos dos outros, mas o técnico do Corinthians acredita que isso funciona. Faz parte do processo de confiar mais na própria avaliação. Não que esteja sozinho. Ouve mais as pessoas próximas e seus auxiliares, com os quais têm reuniões quase todos os dias.

Por isso abdicou, no início do ano passado, das redes sociais. Tem uma conta no Instagram mantida pela empresa que lhe presta serviços de assessoria de imprensa.

"Isso [rede social] é um vício. Sabe o que eu pensei? Eu tinha 43 anos. Vivi 40 anos sem isso. Se eu ficar sem, não vou morrer. Não muda nada para mim. Eu tenho uma vida social maravilhosa sem isso", explica. É o mesmo que pede aos jogadores: não prestem atenção ao que dizem na Internet. Nem na imprensa. Por isso que dá de ombros para as acusações de que Fagner é um jogador violento.

O lateral deverá estar em campo neste domingo mas, convocado pela seleção brasileira para os amistosos contra Rússia e Alemanha, vai perder a partida de volta contra o Bragantino, marcada para quinta (22).

Chamados pelo Paraguai, Balbuena e Romero também perderão o jogo da próxima semana assim como as duas semifinais, caso o Corinthians se classifique.

Para este domingo, Jadson, ainda com dor na coxa direita, é dúvida. Se não puder atuar, Sheik deverá continuar como titular.

A segurança e certeza que Carille têm no seu trabalho não mudam a maneira que encara o Paulista. Em 2017, era um torneio fundamental para seu futuro. Agora poderia ser diferente porque ele já está estabelecido no clube e tem a Libertadores, competição mais importante da temporada, no horizonte.

Poderia ser, mas não é.

"Paulista continua muito importante. Se a gente ganha este título, o quanto vai fortalecer o grupo? A importância é muito grande pela nossa responsabilidade e por tudo o que pode acontecer durante o ano", finaliza.

Responsabilidade, sim, mas Carille sabe que a situação em 2018 é outra, o que o deixa bem mais confiante.




O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Esportes

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber