Esportes

Brasil aposta em pódio no Mundial feminino

Da Redação ·
 Érika de Souza defende o Brasil neste Mundial da República Tcheca, que terá uma seleção brasileira mesclada por jogadoras jovens e veteranas
fonte: Mark Nolan/Getty Images
Érika de Souza defende o Brasil neste Mundial da República Tcheca, que terá uma seleção brasileira mesclada por jogadoras jovens e veteranas

Com uma equipe mesclada de jogadoras jovens e veteranas, a seleção brasileira de basquete inicia nesta quinta-feira (23) sua participação no Mundial da República Tcheca, enfrentando a Coreia do Sul em Brno, pelo Grupo C, que ainda tem Mali e Espanha.

continua após publicidade
continua após publicidade

Na mesma cidade, o Grupo D tem Argentina, República Tcheca, Japão e Rússia. Em Ostrava jogam o Grupo A, com Austrália, Bielorrússia, Canadá e China, e o Grupo B, com França, Grécia, Senegal e Estados Unidos.

continua após publicidade

Desta vez, a seleção brasileira feminina é dirigida por um técnico espanhol, Carlos Colinas, que nesta quarta-feira (22) comandou treinos físicos e técnico-táticos em dois períodos, na Arena Vodova e na Universidade Masarykova.

continua após publicidade

A pivô Érika, 28 anos e 1,96 m, que na temporada defendeu o time espanhol Ros Casares e também o Atlanta Dream (vice-campeão da WNBA. a liga profissional norte-americana), viajou direto dos Estados Unidos para a República Tcheca – está há apenas dois dias com o grupo.

continua após publicidade

Ao site da Fiba (Federação Internacional de Basquete), a jogadoras lembrou que participa de seu terceiro Mundial mas parece que é seu primeiro.

continua após publicidade

- Sinto a mesma emoção. E estou ansiosa para a competição começar logo. Quero jogar com minhas companheiras de equipe.

continua após publicidade

Apesar de ter chegado apenas agora, a adaptação é fácil porque conheço todas bem. Jogamos juntas desde que eu era bem nova.

continua após publicidade

Sobre seu papel no time, segundo Érika o técnico Colinas pediu para que trouxesse alegria, além da experiência.

continua após publicidade

- Falei que temos de curtir a competição. Todas têm treinado duro por tanto tempo... Agora estamos prontas.

continua após publicidade

O Brasil foi sede do último Mundial, em 2006, quando ficou na quarta colocação, perdendo a medalha de bronze para os Estados Unidos. A Austrália ficou com o título, disputado em São Paulo, sobre a Rússia.

O técnico Carlos Colinas acredita que a seleção brasileira tenha de condições de conseguir “mais um passo” em relação ao Mundial-2006.

Érika lembra que o time tem qualidade e ambição de ir bem neste torneio, além de ter treinado junto por três meses.

- Acredito que possamos ir bem. Se fizermos o que nosso técnico diz e dermos nosso melhor, podemos disputar medalha.