Mais lidas
Esportes

Confederações criticam projeto em tramitação

.

PAULO ROBERTO CONDE

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Presidentes de confederações consultados pela reportagem se mostraram contrários ao projeto.

A maioria afirmou preferir não receber o repasse da Lei Piva diretamente, sobretudo por não ter pessoal suficiente para a prestação de contas. Eles alegam ainda que o Ministério do Esporte não teria condição de lidar com o processamento de tantos projetos de cada uma.

"Com a proposta de mudança, o COB será afetado, porque é ali que estão os maiores conhecedores nas áreas administrativa, de projetos e técnica", afirmou José Antonio Martins Fernandes, chefe da confederação de atletismo.

Mandatário da confederação de canoagem, João Tomasini disse que o projeto "não pode passar".

"Não como está. Nós entendemos que o suporte dado pelo COB na execução e na prestação de contas é de longe o melhor."

José Roberto Santini, superintendente da confederação de badminton, questionou a falta de clareza da proposta em relação à divisão dos recursos feita pelo Ministério do Esporte.

"O projeto de lei não define nada sobre como seria a distribuição da verba entre as confederações. Quem garante que será melhor? O ministério é político e vê mudanças frequentes de ministros, secretários, etc. Será que teremos um critério que atenda aos anseios das confederações menores?"

Helio Meirelles, presidente da entidade que regula o pentatlo moderno no país, aderiu ao coro.

"Uma vez sancionada uma lei pelo presidente da República, a tentativa de reverter no plenário os aspectos incoerentes a ela incorporados despende muita energia, nem sempre com sucesso."

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber