Mais lidas
Esportes

Defesa de Marin tenta responsabilizar Del Nero em julgamento da Fifa

.

ESTELITA HASS CARAZZAI, ENVIADO ESPECIAL

NOVA YORK, EUA (FOLHAPRESS) - Na reta final do julgamento do escândalo de corrupção na Fifa, nesta segunda (11), a defesa do ex-presidente da CBF José Maria Marin resolveu trazer à tona o atual presidente da entidade, Marco Polo Del Nero, e comparar sua situação à de Marin.

Ambos os dirigentes são acusados pela Justiça dos Estados Unidos de cobrarem propina de empresas de marketing esportivo em troca de contratos com a confederação.

Marin, que está em julgamento, vive em prisão domiciliar em Nova York. Já Del Nero, atual presidente da CBF, não viaja para o exterior desde seu indiciamento, em dezembro de 2015, e foi o único presidente de confederação a não ir ao sorteio dos grupos da Copa da Rússia.

Na sessão desta segunda (11), fotos de Marin e de Del Nero, que era vice-presidente da CBF na gestão de Marin, foram exibidas aos jurados. Os dois aparecem dividindo palcos em cerimônias oficiais, num jatinho rumo a uma reunião da Conmebol, e fazendo o "V da vitória", junto com Juan Ángel Napout, dirigente da confederação paraguaia que também é réu no processo.

"Quase sempre eles [Marin e Del Nero] estavam juntos", disse o advogado James Mitchell, que defende Marin. Ele interrogava o investigador da Receita Federal americana Steve Berryman, que é testemunha de acusação e depõe desde a última quinta (7).

Para Mitchell, a conduta da Fifa com Marin, que foi banido da instituição, não foi a mesma com Del Nero, e isso contraria a suposta política de "tolerância zero" da entidade contra corrupção e fraude. Eles frequentavam as mesmas reuniões e estavam sujeitos ao mesmo código de ética, argumentou o defensor.

A juíza Pamela Chen, porém, interrompeu as perguntas, retirou os jurados da sala, ouviu as partes e decidiu que não iria permitir a linha de argumentação, por considerar que ela não prova nada sobre os fatos contra Marin, e que a Fifa e seu posicionamento em relação aos investigados não está em jogo.

A magistrada chegou a afirmar que isso só provaria que "Del Nero tem mais amigos em esferas superiores do que Marin".

CONTA BANCÁRIA

Nas duas horas de interrogatório, Mitchell também fez perguntas sobre a conta da Firelli Internacional, pertencente a Marin e baseada no exterior, que teria recebido US$ 2 milhões em transações de propina, segundo a acusação.

O investigador Steve Berryman detalhou as transações de lavagem em seu depoimento, que já dura três dias.

A acusação havia mostrado despesas de US$ 118 mil com roupas de grife, feitas pela conta Firelli em lojas de Paris, Las Vegas e Nova York.

O advogado destacou a existência de documentos que revelam os beneficiários da conta, sediada no banco Morgan Stanley, nos EUA. Disse que a investigação recebeu toda a documentação bancária em menos de dez dias, assim que obteve os mandados judiciais.

"Estava claro para o banco que o sr. Marin era associado a essa conta", afirmou.

Mitchell também argumentou que Marin era "um homem muito rico" antes mesmo de virar presidente da CBF, por ser dono de negócios imobiliários e de estações de rádio.

A previsão é que os jurados comecem a deliberar até o fim dessa semana, com o encerramento das testemunhas e as considerações finais das partes.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber