Mais lidas
Esportes

Candidato à reeleição no Santos, Modesto promete maior investimento em reforços

.

ALEX SABINO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após quase todas as perguntas, Modesto Roma Júnior para, levanta o olhar para o alto e começa a resposta com: "Depende..."

Seu estilo rendeu brincadeiras entre os seus opositores no Santos. Como aconteceu na tentativa de contratar o técnico Oswaldo de Oliveira, em 2015, vetada pelo comitê de gestão. Ele recebeu equipe de TV enquanto comia um filé a parmegiana e disse não haver problema em não levar o treinador para a Vila Belmiro.

"No Santos é assim: democracia e parmegiana."

Jornalista por formação, ele vive o dia a dia do clube há décadas. Seu pai, Modesto Roma, é considerado um dos maiores dirigentes da história santista. Foi diretor durante a década de 1960. Antes de ser eleito, no final de 2014, Roma Júnior trabalhou na administração da gestão de Marcelo Teixeira.

O atual presidente sabe o que dizem a respeito do seu estilo. E ri disso. Porque afirma que os opositores não conseguem compreender que essa maneira de ser o ajuda a administrar.

"Às vezes as pessoas não conseguem alcançar o que a gente está dizendo. Às vezes as pessoas interpretam de uma forma pejorativa por interesse próprio ou por oposição sistemática. Deturpam, distorcem...", afirma.

Mas ele tem na ponta da língua tudo o que fez. Lembra os dois títulos paulistas conquistados em sua gestão (2015 e 2016) e principalmente de ter montado equipes competitivas quando havia pouco dinheiro.

Contesta ter aumentado a dívida do clube. Ao contrário. Diz que a diminuiu de R$ 400 milhões para R$ 200 milhões. E que chegou a hora de colher os frutos porque, em 2018, com vaga na Copa Libertadores, o Santos estaria pronto para fazer maiores investimentos no elenco profissional. Isso por causa da situação financeira mais favorável.

"A condição [de contratar] agora é outra", afirma.

Em busca da reeleição, é obrigado a citar o que realizou nos três anos no clube, mas diz não gostar disso.

"Não sou eu quem tem de ficar me elogiando. Tem um ditado horroroso que diz que elogio na própria boca é vitupério. Eu nem sei o que é vitupério...", se diverte com a autodepreciação que é apenas aparência.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber