Esportes

Organizadas se unem para apoiar o São Paulo e poupam Leco de protesto

.

JOSÉ EDUARDO MARTINS

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - As principais organizadas do São Paulo agendaram uma manifestação no portão principal do Morumbi nesta quarta-feira (19), antes do início da partida contra o Vasco, às 21h45, pelo Campeonato Brasileiro. Quem pensou em um protesto contra o time, que está na zona do rebaixamento na 18ª colocação na tabela, se enganou. Na verdade, a ideia é apoiar a equipe com uma recepção calorosa no mesmo estilo de quando o São Paulo disputa a Copa Libertadores.

A decisão foi tomada após uma reunião entre as cúpulas das torcidas na última sexta-feira (14). Na ocasião, foi combinado com as lideranças das sedes a postura de incentivo aos jogadores até a equipe se livrar matematicamente da possibilidade de ser rebaixada para a Série B do Nacional. Nesta quarta, a delegação tricolor deve ser recebida com sinalizadores, bateria e aplausos.

"Abraçamos a causa e vamos abraçar até o fim. Vamos apoiar. Quando atingir os 47 pontos e tirar o risco, aí sim, vamos fazer manifestação [contrária], a maior de todas", disse Henrique Gomes, o Baby, presidente da Independente.

A postura da organizada tem a ver com o protesto do dia 27 de agosto do ano passado, no CT da Barra Funda. Na ocasião, o local foi invadido enquanto o time treinava. Carlinhos, Michel Bastos e Wesley foram vítimas de agressão, as organizadas acusadas de comandarem o ato e o clube registrou um Boletim de Ocorrência por conta também do roubo de camisas e bolas. "Quem segurou o B.O. foi a gente. Aqui não tem manobra de torcedor 'nutella' e de político", defendeu-se Henrique.

Na época, o presidente do clube, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, colocou-se contrário às organizadas. Neste ano, a relação passou a ser mais cordial. Quando a caravana com cerca de 40 ônibus foi impedida pela polícia de ir para Campinas, o dirigente escreveu uma nota oficial para se solidarizar com os torcedores. "Que presidente não defenderia uma causa dessa? A gente é são-paulino, não tem mais nem menos, tem de lutar pelo São Paulo, que é o nosso maior patrimônio", explicou Henrique.

'FORA, LECO'

Por outro lado, a opinião pública elegeu o presidente do clube como o principal responsável pela situação do time, que soma apenas 12 pontos em 14 partidas disputadas nesta temporada. O fato de o mandatário ter eximido a diretoria de culpa ao justificar o momento ruim e a demissão de Rogério Ceni pesou na avaliação da torcida.

No último domingo (16), após a derrota por 2 a 0 para a Chapecoense, a hashtag #ForaLeco ficou entre as mais citadas no Twitter. Torcedores também tentaram marcar por Facebook protestos contra o mandatário. "Não [vamos impedir], eles têm direito de protestar, ", disse Henrique, que preferiu não fazer uma avaliação de Leco à frente do São Paulo. "Não fui eu que coloquei eles lá dentro. Não vou avaliar porque se ganhar três, quatro jogos, tudo mundo se esquece disso", completou o presidente da Independente.