Esportes

Eurico ataca Globo, mas verba da TV corresponde a 78% da receita do Vasco

.

BRUNO BRAZ E RODRIGO MATTOS

RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) - A entrevista coletiva do presidente do Vasco, Eurico Miranda, na última segunda-feira (19), teve como motivo inicial apresentar argumentos para as recentes confusões de cunho político que têm acontecido nos jogos em São Januário. Porém, houve tempo também para um ataque à TV Globo no que se refere às cotas pagas aos clubes. O dirigente queixou-se da disparidade de verbas recebidas pelos demais em relação à dupla Corinthians e Flamengo. Ocorre, no entanto, que, mesmo o dirigente não concordando, tais valores representam 78% da receita do Cruzmaltino.

Em levantamento feito pelo UOL Esporte, tendo como base os balanços orçamentários de 2016 e a consultoria da "BDO Sports Managment", constatou-se que o Vasco é, entre os quatro grandes do Rio e os quatro grandes de São Paulo, o mais dependente da Globo em termos financeiros.

Atrás do clube de São Januário em dependência estão Botafogo (63%), Fluminense (60%), Flamengo (58%), Santos (50%), Corinthians (47%), São Paulo (35%) e Palmeiras (27%). No balanço de 2016 do Vasco, consta que R$ 165 milhões dos R$ 213 milhões de receitas foram pagos pela TV Globo.

"Esse distanciamento que a TV paga de um para outro já é difícil, ainda mais quando se encontra o clube numa situação mais difícil ainda", lamentou Eurico em um trecho de sua entrevista.

ESPORTE INTERATIVO

Exaltado na coletiva, Eurico Miranda mais uma vez citou a palavra "espanholização" para classificar a condição financeira dada ao Corinthians e ao Flamengo pela Globo. O dirigente, porém, não lembrou que teve a oportunidade de mudar de contrato e fechar com o Esporte Interativo, preferindo renovar com a atual parceira.

No fim de 2015, o Vasco foi um dos primeiros clubes a aceitar a proposta da Globo e renovar até 2020 recebendo luvas de R$ 40 milhões. Eurico, então, foi procurado pelo Esporte Interativo e manteve conversas para um possível contrato a partir de 2021. O dirigente, no entanto, após algumas reuniões, se manteve fiel e estendeu o vínculo com a Globo até 2024.