Mais lidas
Esportes

Áudio levanta suspeita sobre atuação de órgão brasileiro antidoping

.

PAULO ROBERTO CONDE

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Wada (Agência Mundial Antidoping) tem em seu poder uma gravação telefônica que levanta suspeitas sobre a relação entre a ABCD (Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem) e uma empresa que há até pouco tempo pertencia ao diretor de operações da entidade, Alexandre Velly Nunes. No áudio, representantes da companhia oferecem serviços que vão contra as regras da agência.

A empresa é a A&A Nunes, cujo nome fantasia é No Doping, da qual Alexandre Nunes era sócio até as vésperas de ser indicado para o seu atual cargo, em agosto. Atualmente, ela é gerida por seus filhos, Alexandra e Rodrigo.

A firma é especializada na coleta de testes antidoping e antes da criação da ABCD, em novembro de 2011, detinha significativa fatia do mercado de coleta e encaminhamento de resultados.

No áudio, alvo de investigação do departamento de inteligência da Wada, Alexandra oferece a um contratante serviços e resultados sigilosos de testes antidoping, aos quais apenas funcionários da ABCD teriam acesso.

O jornal "Folha de S.Paulo" revelou que entre os dias 13 e 19 de maio, uma delegação da Wada esteve na sede da ABCD, em Brasília, para interrogar funcionários.

Além da atuação em Brasília, os investigadores fizeram averiguações em São Paulo, Rio e Porto Alegre. Denúncias contra a autoridade brasileira, entre elas a gravação, motivaram a ação do órgão.

A denúncia é citada no documentário produzido pela TV alemã ARD sobre esquemas de doping no Brasil, levado ao ar no sábado (10).

A reportagem teve acesso ao áudio. Nele, Alexandra negocia serviço antidoping para um evento esportivo de ciclismo.

No diálogo, a proprietária afirma que, depois de coletar amostras no referido evento e enviá-las a um laboratório credenciado pela Wada em Montréal, pode obter resultados diretamente com a ABCD.

Trata-se de um atalho ilegal. Sempre depois de processar os exames, um laboratório deve encaminhar os resultados a Wada, federações esportivas internacionais e as agências nacionais antidoping -no caso do Brasil, a ABCD. Ou seja, a No Doping não teria acesso nem poderia pedir os resultados ao órgão.

"A Autoridade Brasileira de Controle de Doping vai ter acesso aos resultados, a federação internacional vai ter acesso aos resultados. (...) Mas eu consigo através também da agência brasileira te passar o resultado, direto", diz Alexandra no áudio.

Ao ser indagada novamente se seria possível obtê-los, e a sócia reitera: "Sim".

Na conversa, ela chega a dizer que o contratante pode definir quais atletas quer testar na competição. Trata-se de outra irregularidade.

De acordo com as regras do Código Mundial Antidoping da Wada e com o Código Brasileiro Antidopagem, a definição de qual atleta será levado a controle cabe somente à autoridade de teste, no caso a ABCD -em eventos internacionais, fica a cargo das federações internacionais.

Ou seja, em nenhuma circunstância a decisão seria do organizador da competição.

Segundo lei federal que vigora desde 2016, a ABCD é a única autoridade de teste do país reconhecida pela Wada.

Ou seja, qualquer controle ou ação antidopagem deve ser planejada e executada pela agência nacional, que funciona como uma secretaria do Ministério do Esporte -ela nasceu como um compromisso do país para sediar os Jogos Olímpicos do Rio-2016.

Exceções só podem ocorrer com anuência da ABCD. Ela pode, por exemplo, permitir que a confederações organizem testes e contratem empresas para coleta.

A pessoa que se propôs a contratar o serviço no áudio deveria requisitá-lo para a ABCD, e ela decidiria se e como faria os controles.

NO DOPING

A No Doping tem prestado serviço a confederações esportivas há muitos anos.

Um responsável pela área médica da CBA (Confederação Brasileira de Automobilismo) confirmou à reportagem que sua entidade contrata regularmente a empresa, fundada em 2008, em Porto Alegre.

De acordo com o Código Brasileiro Antidopagem, todas as entidades nacionais de prática ou administração desportiva estão sob jurisdição da ABCD no que diz respeito a "testes, autorização de uso terapêutico, gestão de resultados, sanções, investigações e outras atividades antidopagem no território brasileiro".

Em documento enviado à Federação Paranaense de Canoagem em setembro de 2014, por exemplo, Nunes escreve que a No Doping atendia "quotidianamente" clientes como as confederações de atletismo, ciclismo, judô, desportos aquáticos, automobilismo, basquete, lutas associadas, "entre outros".

Por meio de sua assessoria de imprensa, a Wada disse que não comenta as atividades do seu departamento de inteligência e investigação.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber