Mais lidas
Esportes

Brasileiro que 'treinou' Alonso na Indy leva capacete como troféu

.

FELIPE PEREIRA

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Bicampeão da Indy, o brasileiro Gil de Ferran foi contrato pela McLaren para assessorar Fernando Alonso nas 500 Milhas de Indianápolis. Durante a corrida, disputada no último domingo (28), ele sentia que seu "pupilo" venceria a prova até o momento em que o motor o deixou na mão. “Acredito que dava. Teve uma relargada que ele ficou travado atrás de um retardatário e perdeu algumas posições, mas acho que tinha como se recuperar. Obviamente nunca saberemos”, lamenta o brasileiro.

Depois de uma bandeira amarela, Alonso ficou encaixotado na nona posição. Não havia mais necessidade de reabastecimento e era hora de andar com pé embaixo. O espanhol pisou fundo e começava a recuperar terreno quando carro perdeu potência. Gil de Ferran diz que ficou desapontado, mas imagina que Alonso estava mais frustrado porque a corrida tinha sido “perfeita”. “Mesmo antes de ter passado e ter assumido a ponta (volta 30) estava bem claro para mim que a gente tinha grandes chances de vencer a prova. Logo depois das primeiras 30 voltas, o primeiro stint, era bem claro que estava super competitivo.”

Gil de Ferran conta que em nenhum momento houve problemas e as conversas no rádio se resumiram a discutir estratégia. Prova do bom desempenho é que Alonso foi eleito o novato do ano na prova. Mas a vitória não veio.

Vencedor das 500 Milhas como piloto em 2003, o brasileiro não repetiu o resultado como 'técnico'. Ainda assim, está orgulhoso do desempenho apresentado pelo espanhol. Justifica que ele andou entre os primeiros durante toda a prova.

CAPACETE NA SALA É LEMBRANÇA

Gil de Ferran não saiu de mãos abanando de Indianápolis. O brasileiro levou uma recordação para casa ao trocar presentes com Alonso. Ele avalia que saiu no lucro. “Dei um capacete que usei em 2001 e ele me deu um capacete novo (risos).”

O capacete já está na casa de Gil de Ferran nos Estados Unidos e em lugar de destaque -exposto na sala. Ele afirmou que a fama de pessoa difícil que Alonso tem não se confirmou nos Estados Unidos. Ambos se deram bem e a única parte da fama que se comprovou foi a de piloto fora de série. “Não tenho um A para falar dele. Simpático e profissional ao mesmo tempo. Está claro que o sucesso dele não veio só do grande talento. Vem também da dedicação, inteligência, e vontade de trabalhar.”

Gil de Ferran afirmou que Alonso é um dos melhores pilotos que viu correr e explica que seu papel foi acelerar a adaptação do espanhol. Um carro da Indy passa dos 360km/h e no tráfego a sucessão de pilotos pegando vácuo causa turbulência. O trabalho do brasileiro foi facilitar a compreensão destas condições de corrida para o bicampeão da Fórmula 1.

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber