Esportes

Cielo afirma que operação da PF na CBDA não vai afetar sua preparação

.

PAULO ROBERTO CONDE

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em meio às prisões de dirigentes da CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos) nesta terça-feira (6), o único campeão olímpico da história da natação nacional, Cesar Cielo, afirmou que a operação da PF não vai afetar sua preparação.

"A gente controla o que pode controlar. Eu tenho que nadar rápido todo dia. Tem muita coisa que pode mudar [na CBDA] nos próximos dias", disse, durante apresentação da equipe do Esporte Clube Pinheiros, um dos mais tradicionais do país.

"Pode ter novo presidente em semanas. Estamos fazendo o que está dentro das nossa possibilidades nestas próximas semanas", complementou.

Na cerimônia de apresentação, o diretor de comunicação do Pinheiros, Mario Gasparini, afirmou que os atletas não comentariam as prisões. Com o veto, os nadadores puderam falar apenas de efeitos competitivos.

Existe um temor em relação à realização do Troféu Maria Lenk, que é classificatório para o Mundial de Budapeste, em julho. A CBDA havia avisado que levaria somente oito atletas.

"Se vão ter duas ou 20 vagas, não nos cabe. Mas o objetivo e fazer as melhores marcas e ir para o Mundial", disse Cielo.

"Temos que jogar conforme o jogo", complementou João Luiz Junior, brasileiro com melhor posição nos Jogos do Rio (quinto nos 100 m peito).

PRISÕES

A Polícia Federal cumpre na manhã desta quinta-feira (6) mandados de prisão contra o presidente da CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos), Coaracy Nunes, 78, e outros três dirigentes da entidade.

Eles são suspeitos de desviar R$ 40 milhões em recursos. Nunes está no comando da entidade desde o final da década de 1980 e é o dirigente esportivo brasileiro há mais tempo no cargo.

Além dele, há mandados de prisão a Ricardo de Moura (superintendente), Ricardo Cabral (consultor do polo aquático) e Sergio Alvarenga (diretor financeiro). Outras duas pessoas foram conduzidas coercitivamente a unidades da PF em São Paulo e no Rio de Janeiro.

As prisões ocorrem no Rio e em São Paulo, e começaram a ser efetuadas por volta de 6h desta manhã.

Dezesseis mandados de busca e apreensão também foram cumpridos. Todas as medidas foram expedidas pela 3ª Vara Criminal Federal de São Paulo.