Esportes

Grêmio vence 1º jogo sem Douglas com gol acrobático de Ramiro

.

PORTO ALEGRE, RS (UOL/FOLHAPRESS) - O primeiro jogo do Grêmio sem Douglas foi com vitória. Neste domingo (12), o Tricolor venceu o Passo Fundo por 1 a 0, em Porto Alegre. Com Miller Bolaños na vaga do camisa 10 e um gol acrobático de Ramiro, o time de Renato Gaúcho deu um salto na tabela do Gauchão.

Com seis pontos, o Grêmio saltou quatro posições e fecha o domingo como vice-líder do estadual.

Na próxima rodada o Grêmio, o Grêmio enfrenta o São José-POA na Arena, às 21h de sábado. Já o Passo Fundo recebe o Internacional, às 17h de domingo.

Quem foi bem: Miller Bolaños

Primeiro a ser testado na vaga de Douglas, o camisa 23 não fez feio. Bem pelo contrário. Com muita movimentação, distribuiu bons passes e apareceu dentro da área. Bolaños não participou diretamente do gol do jogo, mas foi o autor de outras três jogadas que poderiam ter terminado com bola na rede e foram desperdiçadas por Everton, Luan e Fernandinho.

Quem decepcionou: Luan

Integrante de uma dinâmica vital para o Grêmio nos últimos anos, o camisa 7 foi discreto. Sem finalizações perigosas, com poucos dribles e participação apática dificultou a vida do setor ofensivo diante de uma marcação fechada. Foi substituído no segundo tempo com dores no tendão patelar e deverá ser submetido a exame de imagem.

Ramiro volta a fazer gol e mantém padrão

Ramiro apareceu dentro da área um punhado de vezes, mas foi na jogada registrada aos 46 minutos do primeiro tempo que ele se destacou. Depois de cruzamento de Everton, o camisa 17 jogou a perna direita para trás e conseguiu desviar. De calcanhar. Um lance acrobático que rendeu desvio na zaga e bola na rede.

Em 2016, Ramiro também marcou um gol incomum. Bonito. Foi contra o Palmeiras, pela Copa do Brasil. Volante de origem que atua como lateral e meia, ele manteve o padrão: poucos e diferentes gols.

Grêmio roda e não entra

O Grêmio dominou rápido, mas teve dificuldade para saber o que fazer com até 80% de posse de bola. O gol de Ramiro é um resumo do lado bom e ruim ao mesmo tempo. A infiltração de um volante e o raro cruzamento de Everton da intermediária. Sem amplitude, o Tricolor ficou no fluxograma: tentativa, erro, espaço para recuperar e tentar de novo. Sempre pelo meio.

Passo Fundo faz linha de cinco para resistir

A ideia ficou clara desde o primeiro segundo. Resistir ao máximo e tentar a sorte com redução de riscos. Com um 3-6-1 que virou 5-4-1 a toda hora, o Passo Fundo também contou com lentidão e falta de amplitude do Grêmio. O meia Gênesis foi a origem das pouquíssimas ações ofensivas – com direito a um chute de fora da área e cruzamento salvo por Léo Moura.

Renato testa Bolaños e depois usa Jael e Maxi

Depois de começar o jogo com Bolaños na vaga de Douglas, mas com outra missão, Renato Gaúcho só mexeu no time aos 17 minutos do segundo tempo. Primeiro com Fernandinho no lugar de Everton, sem mudança na estrutura. Mais tarde, menos ortodoxo. Jael entrou no lugar de Luan para tentar dar mais contundência a um ataque que girou a bola de lado a lado. A última substituição, aos 32 minutos, foi a mais impactante no esquema. Jaílson saiu para entrada de Maxi Rodríguez e aí Ramiro foi recuado. Bolaños foi deslocado para o lado e o gringo ficou centralizado.

GRÊMIO: Marcelo Grohe; Léo Moura, Pedro Geromel, Rafael Thyere e Marcelo Oliveira; Jaîlson (Maxi Rodríguez), Maicon, Ramiro, Miller e Everton (Fernandinho); Luan (Jael)

T.: Renato Gaúcho

PASSO FUNDO: Fernando Jr.; Sosa (Anderson Paraíba), Rodolfo Mól e Gustavo Miranda (Saimon); Jessé, Xaro, Possebon, Maicon, Gênesis (Brandão) e Mikael; Saldanha

T. : Paulo Porto

Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre (RS) Árbitro: Eleno Todeschini

Auxiliares: Maurício Coelho Penna e Luiza Reis

Renda/Público: R$ 321.619,00/8.876 pagantes

Cartões amarelos: Jaílson, Léo Moura (GRE); Gustavo Miranda, Xaro, Jessé (PFU)

Gols: Ramiro, aos 46 minutos do primeiro tempo (GRE)