Esportes

Sem dinheiro, Inter busca trocas e negócios sem custos para se reforçar

.

MARINHO SALDANHA

PORTO ALEGRE, RS (UOL/FOLHAPRESS) - O presidente Vitório Píffero foi claro no evento em que entregou o comando do Inter a Marcelo Medeiros. Disse que deixa o clube "de cofres vazios". Desta forma, a nova direção tenta ser criativa para contratar. Aposta em negócios sem custos e oferece trocas de atletas sempre que possível.

Foi sem gastar nada que o Internacional conseguiu os dois primeiros reforços da temporada. Roberson, já confirmado oficialmente, custará apenas seus salários. Estava sem vínculo com clube algum.

Já Neris, que disputou o último Brasileiro pelo Santa Cruz, tem contrato encerrando com o clube e pertence ao Barra-SC. De lá partirá o empréstimo ao Colorado por uma temporada. Sua negociação deve ser oficializada no começo da próxima semana, quando ele realiza exames médicos e assina documentos.

Mas o molde "de graça" não pode ser utilizado sempre. Com alvos sob contrato em outros clubes, o Internacional usa também algo que tem mais do que dinheiro: material humano.

A queda para a segunda divisão gerou uma reformulação imediata no elenco. E para conseguir novos jogadores, o time gaúcho oferece uma longa lista de alternativas. Atletas que participaram da campanha do ano passado, como Arthur, Eduardo Henrique, Fabinho e Marcelo Lomba, outros que voltam de empréstimo, casos de Muriel, Maurides, Bertotto e Cassiano, todos foram apresentados a uma série de times.

Mas a lista não parece interessar. Não conseguiu persuadir, por exemplo, o Sport a liberar o lateral esquerdo Renê. Não foi suficiente para o Corinthians abrir conversa sobre Uendel, ou mesmo o Bahia aceitar negociar Juninho, que inclusive renovou seu contrato.

Uma investida mais forte no mercado não é provável. "Temos que agir com criatividade para reforçar o elenco. É uma situação pela qual vamos passar", disse o vice de futebol Roberto Melo na posse, ocorrida terça-feira. "Na próxima semana devemos ter novidades", adiantou o presidente Marcelo Medeiros na mesma ocasião.

Dois jogadores são as "moedas de troca" mais valiosas do elenco vermelho. Alex e Anderson. Mas ao mesmo tempo que são atletas experientes, conhecidos e de qualidade, possuem altos salários, que impedem acordos com a maioria dos times.

O Internacional promete movimentações maiores no mercado a partir da próxima semana. Sonha com o retorno de Taison, mas vê tal possibilidade como remota. E ao mesmo tempo convive com a necessidade de equalizar as contas e pagar valores atrasados aos jogadores.