Esportes

Gaviões sugere que agressão não foi briga de torcidas

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Gaviões da Fiel, maior torcida organizada do Corinthians, divulgou uma nota nesta quinta-feira (3) em que diz desconfiar da hipótese de que a agressão a dois de seus integrantes, na quarta, tenha sido realizada por outra torcida.
"Os motivos para tal desconfiança não devem ser mistério para ninguém. Assumimos uma declarada guerra ideológica com setores da sociedade que, apoiados no conservadorismo, não estão acostumadas com a contestação", afirma a torcida.
Nos últimos jogos do Corinthians, a Gaviões tem levado faixas ao estádio com críticas a vários setores da sociedade.
"Deixamos claro que nossa luta continuará, custe o que custar, pois se nossa história não foi interrompida nos tempos obscuros de pau de arara, não será interrompida nos tempos de mídia independente e democracia de informação", diz a nota.
A torcida organizada Independente, do São Paulo, também se pronunciou e negou envolvimento no episódio, o qual repudiou.
"Apesar da rivalidade histórica de décadas, temos ideais comuns pelos nossos respectivos times e lutas sociais semelhantes, no combate à péssima desorganização do futebol brasileiro, com consequências deploráveis e gritantes na grande massa", diz o texto.
A Independente desejou "recuperação total" aos dirigentes da Gaviões.
AGRESSÃO
Na quarta, o presidente da Gaviões da Fiel, Rodrigo Fonseca, conhecido como "Diguinho", e o primeiro-secretário, Cristiano Morais, chamado de "Cris", foram espancados após a participação deles em uma reunião com o promotor Paulo Castilho, no Fórum Criminal da Barra Funda -outras torcidas também participaram do encontro.
A agressão aconteceu em frente a um supermercado na zona oeste de São Paulo.
O advogado da uniformizada, David Gebara, esteve na delegacia nesta quinta para registrar a ocorrência. Ele informou que os corintianos foram abordados por três homens encapuzados.
Diguinho e Cris foram levados ao hospital após a agressão. O primeiro com fratura nos braços e o segundo com vários dentes quebrados. Eles já tiveram alta.
As imagens enviadas pelo supermercado pouco ajudaram a investigação até o momento. Elas não são nítidas, segundo os delegados que cuidam do caso.
A polícia agora tenta encontrar outras câmeras que possam ter filmado o episódio com melhor resolução.
Segundo Castilho, além dos integrantes da Gaviões, também estiverem no encontro o presidente da Independente, Henrique Gomes, conhecido como Baby, e o presidente da Mancha Alviverde, Anderson Nando Nigro.
O promotor disse que a pauta do encontro foi a relação do Ministério Público com as organizadas.