Facebook Img Logo
Mais lidas
Esportes

CBF rompe com patrocinador e muda plano de saúde de campeões mundiais

.

CAMILA MATTOSO E MARCEL RIZZO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Não foi só a P&G, dona da marca Gillette, que deixou de patrocinar a CBF em 2015.
A Confederação Brasileira de Futebol e a Unimed Seguros romperam o contrato em julho deste ano, segundo a empresa, por decisão unilateral da entidade. A quebra do acordo está na Justiça, em ação feita pela Unimed, que pede indenização.
O acordo havia sido assinado em junho de 2013, um ano antes de a seleção brasileira disputar a Copa do Mundo, e valeria até 2019. Os valores nunca foram divulgados.
No caso da rescisão da P&G, o contrato foi rompido após a eclosão do escândalo de corrupção no futebol, que levou à prisão o ex-presidente da CBF José Maria Marin, acusado de receber propina para fechar acordos comerciais da entidade.
Na saída da Unimed, houve desavenças contratuais. O contrato previa a remuneração própria do patrocínio e a prestação de serviços na área médica. Em agosto de 2014, a CBF realizou um evento em sua sede, no Rio, em que anunciou que daria a todos os jogadores que foram campeões do mundo pela seleção planos de saúde da patrocinadora.
Estiveram presentes 30 jogadores campeões do mundo, entre eles Pepe (título em 1958), Paulo Cezar Caju (1970) e Dunga (1994), já de volta como treinador da seleção. Os planos de saúde foram cancelados pela Unimed em 31 de agosto deste ano, segundo a empresa, um mês após a rescisão.
Segundo a CBF, a confederação fechou com a SulAmérica Seguros, que agora mantém os planos de saúde dos ex-jogadores.
A ação da Unimed na Justiça pede que a empresa seja ressarcida em R$ 935,3 mil pelo período em que prestou o serviço dos planos de saúde a funcionários e beneficiários da CBF em agosto de 2015, quando o contrato já havia sido encerrado.
Em nota, a CBF informou que "em termos fáticos, a entidade esclarece que sua relação com a Unimed era fundamentada em duas bases: a remuneração própria do patrocínio e a prestação de serviços na área médica. Quanto ao primeiro aspecto, a Unimed manifestou no início do ano sua impossibilidade em dar cumprimento às suas obrigações. Em seguida, revelou-se a deficiência em relação à contrapartida da prestação de serviços, conforme fora noticiado com relevância por esta Folha. Desta forma, a parceria mostrou-se inviável, e o assunto foi endereçado ao Departamento Jurídico da CBF".
O patrocínio com a CBF não foi o primeiro da Unimed com o futebol. Por 15 anos, de 1999 a 2014, a empresa patrocinou o Fluminense, em acordo em que não só pagava pela exposição na camisa, mas também participava da contratação e pagamento de salário de grandes jogadores, como o argentino Conca e o atacante Fred. A empresa passa por dificuldades financeiras.




O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Esportes

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber