Mais lidas
Esportes

Euforia por título toma quadra da Gaviões; são-paulino armado causa confusão

.

ADRIANO MANEO E FELIPE GIACOMELLI
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Parecia que a festa não sairia como planejado.
Na quadra da Gaviões da Fiel, principal torcida organizada do Corinthians, um eventual título brasileiro conquistado graças à vitória do São Paulo sobre o Atlético-MG causava certa incômodo.
Havia aqueles que comemoravam, mas uma outra ala condenava a celebração dos gols do rival. "Comemorar gol do São Paulo, você é louco? Eu comemoro gol do meu time. Aqui é Corinthians", dizia Felipe Ferreira, 20.
Antes da partida, torcedores diziam que conquistar a taça com uma "ajudinha" do arquirrival não seria mesma coisa, mas que não importava; o importante era o título.
Lays Cristina Souza, 28, iria a São Januário se não houvesse o veto a mulheres e crianças, definido pela própria Gaviões. Ela admitiu que ganhar o troféu com algum resultado alheio faria "perder um pouco da graça", mas disse que a festa seguiria até o final. "Perdendo ou ganhando, é Corinthians", disse.
O estudante Gabriel Wendel, 17, fazia coro: "fica mais sem graça, mas não importa; é campeão de qualquer jeito."
Quando todos na quadra já se acostumavam com a ideia da conquista com revés, já que o Vasco vencia por 1 a 0, Vagner Love empatou.
A igualdade ajudou a melhorar o clima. O que se viu após a confirmação da vitória são-paulina -e o consequente título- mostrou que o que realmente valia para o torcedor corintiano era o título. "Agora, a comemoração vai durar a noite toda", disse Caique Santos, 22.
Sinalizadores acesos, fumaça dando o clima e o grito de campeão, que finalmente desentalou a garganta da torcida organizada, deram início aos festejos que prometiam durar a noite inteira.
CONFUSÃO
Um homem com a camisa do São Paulo tentou passar de moto em meio aos corintianos que comemoravam o título na rua da sede da Gaviões da Fiel, no Bom Retiro, na madrugada desta sexta (20).
Cercado pelos torcedores, o são-paulino sacou uma arma e, apontando em direção aos presentes, ameaçou: "Aqui é polícia".
O homem também dizia aos fotógrafos que registravam o momento para que não tirassem fotos.
Ainda com a arma, ele foi obrigado a tirar a camiseta e teve a chave da moto roubada. A polícia dispersou a confusão com bombas de gás lacrimogênio.
Os torcedores fugiam do tumulto correndo para dentro da quadra e tentando cobrir os rostos. A festa foi encerrada pouco depois da confusão.
FESTA NA VILA
Ponto de encontro em jogos do alvinegro, a Vila Madalena não estava cheia quando as equipes entraram em campo. A forte chuva na zona oeste antes do jogo também contribuiu para o pouco público em um dos bares.
Os torcedores tentavam se proteger da água se espremendo em uma compactação que deixaria orgulhoso o técnico Tite –a principal característica do Corinthians ao longo do Nacional foi a coesão. Conforme a chuva ia parando, as ruas do bairro ficavam cada vez mais cheias.
De mulheres em uma despedida de solteiro a Fátima Neves, 71, que se apoiava em uma bengala, a torcida começou a ganhar força. "Vai ser gol do Pato, que vai voltar para o Corinthians", disse o vendedor Leonardo Aquino, 23.
O atacante, porém, foi substituído sem marcar no Morumbi. Mas o 4 a 2 do São Paulo já garantia o hexacampeonato corintiano, mesmo após o Vasco ter aberto o placar no Rio de Janeiro.
Bastou Vagner Love fazer o gol de empate, aos 38 min do segundo tempo, para que a comemoração ganhasse as ruas do boêmio bairro.




×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber