Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Esportes

Willian pede mais agressividade para seleção e meias dentro da área

.

MARCEL RIZZO, ENVIADO ESPECIAL
FORTALEZA, CE (FOLHAPRESS) - Mais agressividade para finalizar ao gol e meias com presença na área. Essa é a receita de Willian para a seleção brasileira vencer a Venezuela nesta terça-feira (13), em Fortaleza, pela segunda rodada das eliminatórias para a Copa-2018.
Tanto o meia do Chelsea, quanto o atacante Hulk, do Zenit, acham que o Brasil pecou no momento de finalizar na derrota para o Chile, 2 a 0, na estreia da competição, quinta (8), em Santiago.
"Temos que ser mais agressivos para finalizar, no momento de deixar o companheiro perto do gol. Nós ali da frente precisamos entrar mais na área nas jogadas laterais", disse Willian.
O técnico Dunga não revelou, e nem deve revelar, se fará mudanças para enfrentar os venezuelanos, mas é certo que Willian estará em campo. Hulk também deve ser mantido, apesar de a possibilidade de entrar com um centroavante mais fixo, como Ricardo Oliveira, não estar descartada. Quem deve perder a vaga é Oscar, para Lucas Lima, assim como Marcelo para Filipe Luís.
O treino deste domingo (11), realizado na Arena Castelão, palco do jogo, foi fechado para a imprensa durante a maior parte do tempo.
Willian e Hulk, os dois jogadores que conversaram com os jornalistas, concordam que um gol logo no início amenizaria a pressão que pode existir caso o Brasil demore a balançar a rede contra um adversário teoricamente bem mais fraco.
"Temos que puxar essa pressão para o nosso lado. Entrar concentrado, pegar o apoio da torcida, e um gol rápido ajudaria muito. Temos que tirar proveito do ambiente", disse Hulk, um dos dois atletas no elenco que nasceram no Nordeste - ele é de Campina Grande, na Paraíba, e Daniel Alves da Bahia.
Hulk avisou que sua mãe alugou um ônibus para levar familiares e amigos da Paraíba até Fortaleza para ver a partida.
"Jogo na Rússia, muito longe, não dá para a família ir me ver. Aqui fica mais fácil", disse.
HOMENAGEM
O preparador de goleiros Taffarel colocou suas mãos no hall da fama que a Arena Castelão mantém no estádio. Ele marcou o gesso antes do treinamento.
Pelé, Neymar e Ronaldinho já marcaram os pés no hall, que pode ser visto por torcedores que visitam o estádio. O técnico da seleção, Dunga, e o coordenador de seleções, o ex-goleiro Gilmar Rinaldi, também estão presentes.
"Nunca pensei em bater recordes e ser o melhor, mas sempre quis aproveitar o momento e dar meu melhor. Isso me gratifica e me faz ver que eu cumpri a missão", disse o ex-goleiro.
Taffarel, campeão do mundo em 1994, fez 107 jogos pela seleção principal, com 64 vitórias, 30 empates e 13 derrotas.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Esportes

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber