Facebook Img Logo
Mais lidas
Esportes

De olho na Rio-2016, Brasil leva delegação-ostentação ao Parapan

.

JAIRO MARQUES, ENVIADO ESPECIAL
TORONTO, CANADÁ (FOLHAPRESS) - No caminho do aeroporto internacional de Toronto para o centro da cidade, um outdoor com a imagem da corredora cega brasileira Terezinha Guilhermina, para-atleta mais rápida do mundo, quebra o cinza da paisagem. Ela é uma das promessas para que o Brasil saia tricampeão dos Jogos Parapan-Americanos 2015, aberto oficialmente na sexta-feira (7), no Canadá.
O "Parapan" é tido pelo CPB (Comitê Paralímpico Brasileiro) como uma prévia do que poderá acontecer na Paraolimpíada do Rio, em setembro de 2016. Para isso, o Brasil não tem poupado ostentação em Toronto.
A delegação brasileira é a maior dos jogos, com 270 atletas, fora as equipes de apoio. Na Vila Paraolímpica, o país ficou com instalações generosas e bem localizadas. Além disso, atletas brasileiros como o nadador Daniel Dias, 11 ouros no último "Parapan", de Guadalajara (México), são tratados como superastros.
Mas a missão de ficar em primeiro lugar no quadro de medalhas pela terceira vez -ganhou 83 ouros, no Rio, em 2007, e 197 ouros em Guadalajara, em 2011-, pode esbarrar na motivação dos canadenses, que embora não seja uma potência paradesportiva terá o apoio da torcida, e da força do time norte-americano.
"Nossa meta de ficar em primeiro é muito clara, qualquer outro resultado para nós será fora da curva. Levamos o Parapan muito a sério e ele faz parte de nossa estratégia de desenvolvimento.
A ideia é dar uma ampla experiência de uma grande competição aos atletas novatos, que serão muito importantes no Rio, em 2016. Não é luxo, é importante", afirmou Andrew Parsons, presidente do CPB.
Um fator interno também pode acabar prejudicando o elenco brasileiro. De última hora, o CPB resolveu não pagar uma tradicional ajuda de custo aos atletas, de cerca de R$ 1.000, alegando necessidade de cortar custos. O dinheiro serviria para bancar gastos extraordinários dos competidores.
"Não tivemos nenhum corte de receita de patrocinadores devido a crise, mas tivemos aumento das despesas devido à alta do dólar. Por isso, tivemos que promover alguns ajustes. A maioria dos atletas não precisam do auxílio e recebem valores bem maiores.
Eles não têm gastos com nada em competições como esta. O gasto chegava a R$ 1 milhão por ano com algo que consideramos não ser mais necessário", declara o presidente.
O atletismo e a natação representam cerca de 70% das medalhas de ouro brasileira. O Brasil também tem tradição e é favorito ao lugar mais alto do pódio na bocha e no futebol de 5 (para cegos), por exemplo.
Ao todo, 28 países participam dos jogos com 1.600 atletas disputando medalhas em 15 modalidades até o dia 15 de agosto.
As primeiras medalhas de ouro para o país devem sair já nas competições deste sábado (8), na natação masculina e feminina.
O jornalista viajou a convite do Comitê Paralímpico Brasileiro




O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Esportes

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber