Facebook Img Logo
Mais lidas
Esportes

Não vamos deixar essa história de lado, diz Corinthians sobre suspeitas

.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O gerente de futebol do Corinthians, Edu Gaspar, afirmou nesta segunda-feira (22) que a equipe vai acompanhar bem de perto as investigações sobre as escutas telefônicas que denunciam a possível influência de Julio Grondona, ex-presidente da Federação Argentina de Futebol, na escalação do árbitro Carlos Amarilla em jogo do time alvinegro contra o Boca Juniors, pelas oitavas de final da Copa Libertadores da América-2013.
As escutas telefônicas foram reveladas por um programa de TV argentino no último domingo (21). As revelações do "La Cornisa de TV America" mostram gravações da chamada "Máfia do Futebol", que está sob investigação local. Uma das conversas exibidas levantam suspeitas sobre a arbitragem de Carlos Amarilla, que em 2013 prejudicou o Corinthians no duelo contra o Boca Juniors na Libertadores.
Na ocasião, Amarilla foi questionado pelos corintianos por dois gols anulados e um pênalti não assinalado. O jogo terminou empatado por 1 a 1 e o Corinthians acabou eliminado -a equipe perdeu o jogo de ida por 1 a 0.
"Vamos tirar essa história a limpo. O Corinthians não vai deixar de lado uma situação tão séria e importante. Na verdade, temos que aguardar para ver qual será o segundo passe. Temos que estar a disposição e ir até o final para tirar tudo a limpo", disse Edu Gaspar em entrevista nesta segunda-feira.
"Nos somos vítimas do caso. Vamos estar muito atento ao ocorrido e vamos estar a disposição. Foi muita estranha a arbitragem. Me causou um constrangimento ver o que aconteceu", acrescentou o gerente corintiano, afirmando que Amarilla "não tinha que sair do Pacaembu".
As escutas telefônicas envolvem Julio Grondona, então presidente da AFA (Associação do Futebol Argentino), que morreu em 2014, e Abel Gnecco, representante argentino no comitê de árbitros da Conmebol e se dá em 17 de maio de 2013, dois dias depois do Boca eliminar o Corinthians em pleno Pacaembu.
A conversa é uma das 11 reveladas pelo programa de TV, que teve acesso às escutas usadas em uma investigação que começou em 2012 e teria investigado de sonegação de impostos em negociações de jogadores a manipulações no futebol.
Embora a apuração seja anterior à divulgação do escândalo da Fifa, a presença de Grondona une os dois casos, já que o argentino era vice-presidente da entidade internacional e foi citado no inquérito que prendeu sete cartolas em Zurique, José Maria Marin entre eles.
O caso argentino, segundo o site Infobae, está nas mãos do juiz federal Julián Ercolini. A conversa interceptada não detalha por que Gnecco tentou emplacar Amarilla como juiz daquele Corinthians x Boca, mas os dois celebram a arbitragem ruim do paraguaio.
"Saiu bem ao fim, ninguém queria esse louco de m... e o maior reforço que o Boca teve no último ano foi o Amarilla", disse Grondona em dado momento da conversa.




O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

mais notícias

Últimas de Esportes

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber