Facebook Img Logo
  1. Banner
Mais lidas
Esportes

Blatter renuncia à presidência e convoca novas eleições

.

BERNARDO ITRI, ENVIADO ESPECIAL
ZURIQUE, SUÍÇA (FOLHAPRESS) - Diante do maior escândalo da história do futebol mundial, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, anunciou que vai deixar o cargo, ocupado por ele há 17 anos. A decisão acontece quatro dias após o cartola ser reeleito para um mandato que duraria até 2019.
"Embora os membros da Fifa tenham me reelegido presidente, não pareço estar apoiado pelo mundo do futebol: jogadores, clubes. Vou continuar exercendo a minha função como presidente até um novo presidente ser escolhido", anunciou Blatter em pronunciamento na sede da entidade, em Zurique.
"Eu refleti sobre minha presidência, meus últimos anos. Esses anos foram dedicados à Fifa e a esse belo lugar do futebol. Eu adoro e amo a Fifa mais do que qualquer coisa. E só quero fazer o melhor pela Fifa e pelo futebol. Decidi concorrer de novo [para a última eleição], foi uma eleição apertada. É por isso que vou convocar um congresso extraordinário e colocar minha função à disposição", afirmou o cartola.
A nova eleição para presidente da Fifa deve acontecer entre dezembro deste ano e março de 2016, de acordo com a entidade.
A decisão de entregar o cargo foi tomada por Blatter na tarde tarde desta terça, ou seja, horas antes do anúncio. A sede da Fifa ficou fechada durante todo o dia, e os cartolas reunidos, discutindo o escândalo de corrupção que, nesta segunda (1º), atingiu o secretário-geral da entidade, Jérôme Valcke, braço-direito de Blatter.
Após a decisão ter sido tomada, a Fifa convocou uma entrevista coletiva sem informar qual seria o tema tratado. Em Zurique, havia a expectativa de que, pressionado, Valcke deixasse o cargo. A queda de Blatter pegou de surpresa até mesmo funcionários da Fifa. Eles sabiam que haveria alguma decisão importante a ser tomada, mas não imaginavam que o presidente entregaria o cargo.
TENSÃO
O pronunciamento aconteceu em meio a um clima de tensão na sede da Fifa. A princípio Blatter concederia uma entrevista ao lado de Walter de Gregorio, diretor de comunicação, e Domenico Scala, diretor do comitê de auditoria e conformidade da Fifa.
Mas, momentos antes do início da entrevista, Fifa mudou os planos e retirou os nomes de Blatter e de Scala da mesa de entrevista.
Ambos apenas fizeram um pronunciamento e não permitiram perguntas.
Na eleição, Blatter venceu após o príncipe da Jordânia, Ali bin Al-Hussein, desistir de participar do segundo turno. Na primeira votação, Blatter obteve 133 votos entre 209 federações.
Pelas regras, como nenhum dos dois candidatos atingiu dois dois terços dos votos, haveria a necessidade de um segundo turno, quando então se exige apenas maioria simples.
Com os 133 votos, Blatter já tinha, em tese, essa maioria. O príncipe, que conquistou 73 votos, então abriu mão da disputa. Três votos foram nulos.
Ao deixar a chefia da Fifa, Blatter, deixará também de ser membro do Comitê Olímpico Internacional (COI), órgão do qual faz parte em razão de seu cargo federativo.
Ele foi eleito membro do COI “ex-officio” em 1999, dentro da cota reservada a presidentes de federações internacionais. Por esta razão, não pertencerá ao Comitê Olímpico Internacional a partir do momento em que deixar o posto na Fifa.
O suíço deveria, em todo caso, deixar o COI no final de 2016, após completar 80 anos, limite de idade para os escolhidos antes de 2000.
PUPILO DE HAVELANGE
Blatter, 79, passou 17 anos na presidência da Fifa. Ficou a sete de igualar o tempo de permanência do cargo do seu maior mentor, João Havelange.
Foi o dirigente brasileiro, mandatário entre 1974 e 1998, quem abriu as portas da entidade que controla o futebol mundial para o antigo chefe de relações públicas da secretaria de Turismo de Valais, um dos cantões (semelhantes a Estados) do país onde nasceu.
Blatter entrou na Fifa como diretor-técnico apenas um ano depois de Havelange chegar ao poder. Em 1981, assumiu o segundo maior cargo do órgão.
Nos 17 anos em que trabalhou como secretário-geral, foi braço direito do brasileiro.
Quando Havelange decidiu deixar o cargo, em 1998, nada mais natural que fizesse do suíço o seu sucessor.
A primeira eleição de Blatter na Fifa foi a mais apertada das cinco que ele participou. O ex-secretário-geral derrotou o sueco Lennart Johansson, opositor histórico do dirigente brasileiro, por 111 votos a 80.
Desde então, o suíço se solidificou no poder, apesar de sucessivos escândalos na administração da entidade e críticas vindas dos lados interno e externo da cartolagem mundial.
A renúncia do suíço não será imediata. Ele continuará na posição até que um novo mandatário seja eleito. De acordo com o auditor-chefe da Fifa, Domenico Scala, o pleito acontecerá entre dezembro deste ano e março de 2016.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Edhucca

Últimas de Esportes

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber