Esportes

Stock Car tem menor média de idade da década

Da Redação ·
Pilotos cada vez mais jovens estão ingressando na categoria
fonte: Divulgação
Pilotos cada vez mais jovens estão ingressando na categoria

Enquanto o nível de competitividade do Campeonato Brasileiro de Stock Car aumenta, a média de idade dos pilotos que participam da competição diminui a cada ano. Na temporada atual, com a chegada de jovens como Diego Nunes e Allan Helmeister, ambos com 23 anos, a média de idade caiu para 31. Com esse "perfil rejuvenescido", a categoria realiza neste fim de semana, em Curitiba, a segunda etapa do ano.

continua após publicidade

Em 2006, com a presença de pilotos mais experientes no grid, como Ingo Hoffmann e Chico Serra, a média de idade era de 33 anos. No início da década (2001) esse número era ainda maior: 37 anos. "Naquela época o Brasil ainda tinha categorias de base, como a Fórmula Renault e Fórmula 3, destinadas aos pilotos mais jovens. Hoje, o jeito é ir para fora do país ou pular do kart para uma categoria turismo nacional", avalia Alceu Feldmann, que está na Stock Car desde 2000.

continua após publicidade

Aos 36 anos, o paranaense passou por várias fases da competição. Começou com o Chevrolet Ômega, passou pelo chassi tubular equipado com motores V6 e V8. Agora, pilota o modelo JL-G09, que recebeu nova motorização em 2010 - visando aumentar ainda mais o equilíbrio.

continua após publicidade

E a cada ano a categoria tem conseguido atingir esse objetivo. Em 2001, por exemplo, a diferença de tempo entre os pilotos não chegava nem perto do que se vê hoje. Na tomada de tempos para a etapa decisiva daquela temporada, em São Paulo, a pole position ficou com Chico Serra, que virou 1min42s316. Raul Boesel ficou a três décimos e largou na segunda posição. Feldmann ficou a nove décimos e largou em nono. Bel Camilo, pai do piloto Thiago Camilo, virou 3,5 segundos pior e ficou com o 27º lugar.

Esses números nem se comparam com o nível de competitividade atual, influenciado diretamente pelas inovações técnicas e, também, pela queda da idade dos competidores. Na primeira etapa de 2010, também disputada em Interlagos, Cacá Bueno foi mais rápido no classificatório, com o tempo de 1min38s529. Feldmann foi um segundo mais lento que o tricampeão (1min39s536) e ficou com o 23º lugar. Se o paranaense tivesse melhorado em apenas três décimos sua performance já conseguiria ficar entre os quinze mais rápidos e seguir na briga pela pole.