Esportes

Cerca de 200 mil americanos devem vir aos Jogos de 2016

Da Redação ·
Embaixadora acredita que até 200 mil americanos podem vir aos Jogos de 2016, o encontro também discutiu questões envolvendo a logística de grandes eventos
Embaixadora acredita que até 200 mil americanos podem vir aos Jogos de 2016, o encontro também discutiu questões envolvendo a logística de grandes eventos

O ministro do Esporte, George Hilton, recebeu nessa quinta (26), em Brasília, a embaixadora dos Estados Unidos no Brasil, Liliana Ayalde. A diplomata mostrou-se entusiasmada com a proximidade dos Jogos Rio 2016 e adiantou que seu País trabalha com a expectativa de que dezenas de milhares de norte-americanos desembarquem no Brasil no próximo ano.

continua após publicidade

A embaixadora reforçou, ainda, a intensa colaboração do seu país em questões referentes a segurança e também em projetos de divulgação do esporte.

Também participaram do encontro Charles Grover, coordenador das Olimpíadas para a missão dos Estados Unidos; um de seus assessores, Tom Pierce; e Abigail Dressel, diretora do Departamento de Cultura, Educação e Imprensa da Embaixada dos Estados Unidos.

continua após publicidade

“É uma expectativa enorme. Para nós (norte-americanos), sabemos que vai haver uma participação muito grande olhando um pouco pelas experiências passadas. Mas, desta vez, por ser aqui no mesmo continente, talvez tenhamos mais participação dos americanos. É difícil prever, mas sabemos que podemos ter até 200 mil americanos”, declarou a embaixadora, que elogiou o encontro com o ministro George Hilton.

“A visita foi excelente porque compartilhamos muito temas. Tivemos a oportunidade de ouvir do ministro sua missão e a do ministério e também suas prioridades”, destacou Liliana Ayalde. 

“Particularmente, como o ministro diz, queremos ajudar na democratização do esporte. Temos alguns programas que poderíamos fazer em conjunto, como, por exemplo, tentar conseguir mais interesse das meninas mais jovens no futebol e promover o esporte em áreas de população mais vulnerável de uma maneira mais intensiva. Temos também muitos programas de intercâmbio e podemos colaborar com nossas experiências sobre como o esporte é motivado desde as crianças até os adultos”, prosseguiu.

continua após publicidade

Outro ponto muito discutido com o ministro foi como os Estados Unidos poderão colaborar com o Brasil em questão envolvendo a logística voltada para a realização dos Jogos de 2016. “Aproveitei para apresentar ao ministro o nosso coordenador para as Olimpíadas, Charles Grover. Ele tem uma equipe trabalhando intensamente porque nossa participação vai ser bastante ativa. Queremos apoiar o Brasil para que as Olimpíadas sejam um sucesso. Não somente as Olimpíadas, como as Paraolimpíadas”, ressaltou a embaixadora.

“Já estamos trabalhando com as autoridades para compartilhar a nossa experiência em termos de segurança e de logística com megaeventos nos Estados Unidos, tipo o Superbowl ou outros eventos. Também esperamos ter uma presença muito grande das empresas americanas, que são as patrocinadoras que vão estar aqui, em um aspecto um pouco diferente da Copa, quando trabalhamos muito bem”, continuou Liliana Ayalde.

Segundo Charles Grover, a colaboração entre o Brasil e os Estados Unidos na área de segurança seguirá um modelo aplicado na Copa do Mundo da Fifa 2014. “Essa é uma área de colaboração muito ativa. E essa colaboração já está acontecendo de novo. Estamos ligando os grupos das autoridades de segurança, por exemplo, na Sesge (Segurança para Grandes Eventos do Ministério da Justiça) com oficiais de segurança de nossos patrocinadores e também do Departamento de Estado, como o FBI”, revelou.