Esportes

Drogas e confusões: rival de Anderson Silva faz o estilo bad boy

Da Redação ·
Nick Diaz usou maconha antes de luta contra Anderson Silva- Foto:  Josh Hedges/Getty Images
Nick Diaz usou maconha antes de luta contra Anderson Silva- Foto: Josh Hedges/Getty Images

O aguardado retorno de Anderson Silva aos octógonos do UFC acontece neste sábado, em Las Vegas, nos Estados Unidos. O rival do brasileiro não tem um histórico recheado de títulos no UFC, mas pode ser considerado um campeão das polêmicas. Nick é usuário de maconha, já deu vários canos no UFC e parece atraído por confusões, dentro e fora dos octógonos.

Nascido na cidade de Stockton, na Califórnia, Nick Diaz começou a praticar artes marciais por conta do bullying que sofria na adolescência dos garotos mais velhos. O lutador começou no caratê e se tornou faixa preta de jiu-jitsu treinando com o brasileiro Cesar Gracie, na Cesar Gracie Fight Team.

Provocador dentro do octógono, Nick Diaz é um excelente boxeador e atua com a guarda baixa, estilo semelhante ao de Anderson Silva. O americano tem gás de sobra e já castigou uma série de lutadores dentro do UFC, inclusive Georges St. Pierre. Nick é bastante resistente e tem o queixo duro. Ele foi nocauteado apenas uma vez no Ultimate, pelo compatriota Robbie Lawler, atual campeão dos meio-médios do UFC, em 2004. 

HISTÓRICO - No UFC tem uma história de idas e vindas. Em 2007, quando decidiu trocar o Ultimate pelo extinto Pride foi pego pela primeira vez no doping, pelo uso de maconha. Após sua volta ao UFC, em 2012, foi flagrado novamente, depois de sua derrota para Carlos Condit. Nick sempre admitiu o uso da droga e defende a legalização. 

“Não sou um médico ou a p... de um cientista, mas fumei muita maconha na vida. E, na minha opinião, faz bem pra caramba. Acho que é a coisa mais saudável para quem quer simplesmente ficar de boa por um tempo. Cigarros não, mas maconha expande seus pulmões, você respira bem", afirmou o polêmico lutador de 31 anos.

Clique aqui e leia mais.


Autoria/fonte: Mauricio Nadal -iG São Paulo

continua após publicidade