Esportes

Brasil perde por 2 a 1 para a Holanda

Da Redação ·
 Júlio César, goleiro do Brasil, falhou feio no primeiro gol da Holanda
fonte: Arquivo
Júlio César, goleiro do Brasil, falhou feio no primeiro gol da Holanda

O sonho do hexacampeonato da Copa do Mundo de Futebol terminou hoje para o Brasil, de froma melancólica. A equipe demosntrou desequilíbrio emocional: Holanda 2 x 1 Brasil.

continua após publicidade

Robinho marcou o gol para o Brasil.

continua após publicidade

O gol aconteceu aos 09min21s do primeiro tempo. O atacante do Santos aproveitou lançamento feito por Felipe Melo.

continua após publicidade

A Holanda empatou no início do segundo tempo, após falha gritante do goleiro Júlio César, e Hoben fez 2 a 1 de cabeça, após cobrança de escanteio.

AE - Dunga assumiu o comando da seleção em 2006, após a eliminação nas quartas de final da Copa do Mundo para a França, com o objetivo de apagar o fracasso brasileiro. Não conseguiu, no entanto, cumprir o seu objetivo. Nesta sexta-feira, o Brasil perdeu de virada para a Holanda por 2 a 1, no estádio Nelson Mandela Bay, em Port Elizabeth, e foi eliminado nas mesmas quartas de final do Mundial da África do Sul.

continua após publicidade

Com a vitória desta sexta, a Holanda ampliou a sua invencibilidade para 24 jogos - a última derrota ocorreu em setembro de 2008, em amistoso contra a Austrália. E conquistou a terceira vitória de virada desta Copa do Mundo - antes, a Grécia venceu a Nigéria e a Dinamarca derrotou Camarões. Agora, os holandeses enfrentam na semifinal o vencedor de Uruguai e Gana.

continua após publicidade

Com o resultado, o Brasil desperdiçou ainda a chance de obter um grande feito histórico. O jogo contra a Holanda foi o de número 97 em Mundiais da seleção brasileira. Como disputaria mais dois na África do Sul se vencesse, chegaria aos 99 mesmo que perdesse a semifinal. Assim, completaria seu centésimo jogo na abertura da Copa do Mundo do Brasil, em 2014, o que só ocorrerá agora na terceira rodada da primeira fase.

continua após publicidade

A derrota também acabou com a fama de algoz holandês de Dunga, presente na vitória por 3 a 2 nas quartas de final do Mundial de 1994 e na eliminação dos europeus na semifinal de 1998, quando o Brasil empatou por 1 a 1 e ganhou nos pênaltis por 4 a 2. Sem Dunga, a seleção brasileira havia perdido para o famoso "Carrossel Holandês" em 1974, por 2 a 0.

Para a partida de Port Elizabeth, o Brasil contava com o retorno de Felipe Melo, recuperado de contusão. Mas não tinha Elano, lesionado, e Ramires, suspenso, o que manteve Daniel Alves como titular no meio de campo. A Holanda, por sua vez, contou com um desfalque de última hora: Mathijsen sentiu um problema no aquecimento e foi substituído por Ooijer.

continua após publicidade

As mudanças ditaram o ritmo do primeiro tempo. Depois de um início truncado de jogo, o Brasil abriu o placar após Robinho receber passe magistral de Felipe Melo. A Holanda, com dificuldades para superar a impecável defesa brasileira, pouco criava mesmo depois de levar o gol. Sofria ainda com a insegurança de seu sistema defensivo, prejudicado após a saída de Mathijsen. Com os espaços, Daniel Alves brilhava. Dava bons passes, fintava pelas pontas, finalizava, em sua melhor atuação no Mundial.

continua após publicidade

Apesar do bom primeiro tempo, Felipe Melo foi o "vilão". No segundo tempo, o volante foi o responsável direto pela eliminação brasileira. Marcou um gol contra logo aos oito minutos - quando o time de Dunga ainda dominava -, falhou no segundo gol holandês aos 22 e foi expulso após pisar em Robben. Com um jogador a menos, o Brasil não teve forças para buscar a reação.

continua após publicidade

O JOGO - Com forte marcação no meio de campo das duas seleções, a partida começou truncada e com algumas faltas duras. Não demorou, no entanto, para que o Brasil se soltasse. E o confronto se tornasse emocionante. Aos sete minutos, Daniel Alves recebeu passe de Luís Fabiano ligeiramente à frente da marcação, carregou até a entrada da área e tocou para Robinho completar para as redes. Corretamente, a arbitragem marcou impedimento.

O gol anulado em nada desanimou a seleção brasileira. E apenas dois minutos depois, abriu o placar em bonita jogada. Felipe Melo recebeu no meio de campo e deu passe grandioso nas costas da zaga. Sozinho, Robinho apareceu na meia-lua e tocou na saída do goleiro Stekelenburg, em gol que dessa vez foi validado pela arbitragem.

continua após publicidade

O confronto não parava. Nem bem a seleção brasileira havia terminado de comemorar quando a Holanda quase empatou. Logo no minuto seguinte, Kuyt recebeu sozinho na esquerda, dentro da área, e bateu rasteiro para a boa defesa de Julio Cesar. Os holandeses seguiam pressionando nos minutos seguintes, mas com menos ímpeto. Bem marcado por Juan, Gilberto Silva e Michel Bastos, Robben pouco criava. Van Persie, anulado por Lúcio, também era improdutivo.

continua após publicidade

A partir dos 25 minutos, o Brasil retomou o controle. E por duas vezes chegou com muito perigo. Primeiro, Daniel Alves recebeu pela direita, driblou o marcador e cruzou rasteiro para Juan, que se antecipou à zaga e bateu com perigo, por cima. Na sequência, a seleção quase marcou um dos gols mais bonitos dessa Copa. Depois de fintar dois defensores, Robinho passou e Daniel Alves, de letra, clareou para Kaká na intermediária. O meia bateu colocado, no ângulo, e exigiu grande defesa de Stekelenburg.

continua após publicidade

Desencontrada em campo, a Holanda seguia apática. Protagonizava ainda alguns lances bizarros. Aos 35 minutos, em cobrança de escanteio, Robben deu leve toque com o bico da chuteira e, sem nenhum companheiro por perto, correu para a área. Daniel Alves, então, recuperou a posse. Superior, o Brasil quase ampliou aos 45, quando Maicon recebeu na direita e bateu firme, rasteiro, no canto. Stekelenburg espalmou para escanteio, mas o árbitro Yuichi Nishimura marcou o tiro de meta. Antes da cobrança, encerrou o primeiro tempo.

O ímpeto holandês não mudou após o intervalo. O jogo, no entanto, alterou completamente após falha brasileira aos oito minutos, quando Sneijder recebeu na direita e cruzou para a área. Julio Cesar saiu mal, a bola resvalou na cabeça de Felipe Melo e entrou para o gol, empatando a partida.

continua após publicidade

As duas seleções passaram a tocar mais a bola após o gol, sobretudo no meio de campo. E somente aos 15 minutos o Brasil chegou pela primeira vez: Daniel Alves recebeu na intermediária, driblou o marcador e arriscou para fora, com perigo. Com um cartão amarelo desde o primeiro tempo, Michel Bastos foi substituído por Gilberto. A seleção criou outra boa chance aos 20, após Kaká receber na meia-lua e colocar no ângulo, em bola que saiu por pouco.

continua após publicidade

Mas apenas dois minutos depois, após novo levantamento para a área, a Holanda foi mortal. Robben bateu escanteio, Kuyt desviou na primeira trave e Sneijder, após Felipe Melo falhar na marcação, completou para as redes. O panorama brasileiro ficou ainda pior aos 27, quando o volante da Juventus cometeu falta em Robben e pisou, em seguida, no atacante. Corretamente, recebeu o cartão vermelho direto.

continua após publicidade

O Brasil ainda criou algumas chances. Aos 36, após cobrança de escanteio, a bola atravessou a área e ninguém completou. Kaká também fez boa jogada aos 38, avançou pela esquerda e bateu prensado, em bola que saiu para escanteio. Lúcio ainda fez boa jogada aos 42 e sofreu falta na entrada da área, mas Daniel Alves acertou a barreira. A equipe de Dunga, a quarta seleção campeã mundial eliminada neste Mundial, encerrou de maneira melancólica o sonho de avançar à semifinal.

FICHA TÉCNICA:

continua após publicidade

Holanda 2 x 1 Brasil

Holanda - Stekelenburg; Van der Wiel, Heitinga, Ooijer e Van Bronckhorst; De Jong, Van Bommel e Sneijder; Kuyt, Van Persie (Huntelaar) e Robben. Técnico: Bert Van Marwijk.

Brasil - Julio Cesar; Maicon, Lúcio, Juan e Michel Bastos (Gilberto); Gilberto Silva, Felipe Melo, Daniel Alves e Kaká; Robinho e Luís Fabiano (Nilmar). Técnico: Dunga.

Gols - Robinho, aos 9 minutos do primeiro tempo; Felipe Melo (contra), aos 8, e Sneijder, aos 22 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos - Heitinga, Van der Wiel, De Jong e Ooijer (Holanda); Michel Bastos (Brasil).

Cartão vermelho - Felipe Melo (Brasil).

Árbitro - Yuichi Nishimura (Japão).

Público - 40.186 espectadores.

Local - Estádio Nelson Mandela Bay, em Port Elizabeth (África do Sul).