Esportes

Torcedora do Grêmio admite ofensas a Aranha, mas nega racismo

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Torcedora do Grêmio admite ofensas a Aranha, mas nega racismo
fonte: Foto: Divulgação
Torcedora do Grêmio admite ofensas a Aranha, mas nega racismo

A torcedora Patrícia Moreira, flagrada pelas câmeras de transmissão do jogo entre Grêmio e Santos, na última quinta-feira, chamando o goleiro Aranha de 'macaco' não negou as palavras. Em depoimento que durou menos de uma hora nesta quinta, a jovem de 23 anos admitiu as palavras contra o camisa 1 santista. Porém, descartou que tivesse intenção racista. 

continua após publicidade

"Ela admitiu que estava no local e que disse aquelas palavras. Mas negou que tenha intenção racista. Segundo ela, 'foi no embalo' da torcida. Há hinos, músicas que falam 'macaco' na torcida do Grêmio. Todos estavam falando e ela falou também", disse o chefe das delegacias regionais de Porto Alegre, delegado Cleber Ferreira, em entrevista coletiva após o depoimento da jovem. 

Ou seja, os gritos de 'macaco' estão diretamente ligados aos cânticos da organizada Geral do Grêmio que se refere ao Internacional usando tais termos e não considera racismo. "Os cânticos da torcida citam macaco. Ela disse isso. Que todos cantavam isso e ela cantou também. Mas negou a intenção de ofender o goleiro do Santos", falou o delegado. 

continua após publicidade

Patrícia chegou chorando muito e na saída viu um forte protesto da Unegro, União dos Negros pela Igualdade, contra ela. "Vem falar com macaco, vem falar com macaco aqui sua racista", gritavam os protestantes. 

Segundo o delegado, Patrícia, mesmo negando a intenção racista, pode responder por injúria racial. O depoimento serve, inicialmente, para que ela admite as colocações. 

"O delegado Herbert, responsável pelo caso, irá unir várias provas no processo e ela pode responder por injúria racial independente do que disse", confirmou Cleber Ferreira. 

Além das imagens do jogo, serão usadas fotos antigas da jovem onde ela aparece em atitudes discriminatórias, como segurando um macaco de pelúcia vestindo a camisa do Inter enquanto ela fazia cara de 'nojo'.

Confira matéria completa AQUI