Esportes

Cruzeiro é quem mais perde atletas com convocações das seleções

Da Redação ·
 O técnico Dunga anunciou nesta terça-feira, na sede da CBF, no Rio de Janeiro, a sua primeira lista de convocados da seleção brasileira
fonte: Foto: Inacio Teixeira/Coperphoto
O técnico Dunga anunciou nesta terça-feira, na sede da CBF, no Rio de Janeiro, a sua primeira lista de convocados da seleção brasileira

SÃO PAULO, SP, E RIO DE JANEIRO, RJ - Com as convocações dos meias Everton Ribeiro e Ricardo Goulart nesta terça-feira (19), o Cruzeiro é o clube que mais perdeu jogadores para a seleção brasileira.

continua após publicidade

Além dos meias que foram chamados para a seleção principal, o clube mineiro também não terá o volante Lucas Silva e o meia Alisson, que foram chamados por Gallo para a seleção sub-21.

A seleção brasileira principal disputará amistosos contra a Colômbia e Equador, em 5 e 9 de setembro, respectivamente, enquanto a seleção sub-21 (que será a base da equipe da Olimpíada do Rio-2016) disputará amistosos entre os dias 1º a 10 de setembro contra Egito, Qatar e Líbano, em Doha (Qatar).

continua após publicidade

Dos quatro jogadores chamados do clube mineiro, três são titulares: Everton Ribeiro, Ricardo Goulart e Lucas Silva.

Assim, o Cruzeiro ficará sem Ricardo Goulart e Everton Ribeiro contra o Fluminense no dia 7 (no Maracanã) e Bahia no dia 11 (no Mineirão). Já Lucas Silva e Alisson ficarão fora também contra a Chapecoense (30 de agosto, no Mineirão).

Além do Cruzeiro, o Inter-RS, vice-líder, é o segundo time que mais vai sofrer com desfalques em virtude dos jogos da seleção. O clube gaúcho teve Jacsson, Gilberto e Otávio chamados para a seleção olímpica e pode ainda perder atletas para outras seleções.

continua após publicidade

Botafogo e Corinthians vão ceder dois jogadores. O clube carioca cedeu Jefferson para a seleção principal e Dória para a seleção sub-21, enquanto o time paulista cedeu Gil e Elias para o time de Dunga.

OS JOGADORES QUE VÃO DESFALCAR SUAS EQUIPES NO BRASILEIRO

continua após publicidade


CRUZEIRO

Everton Ribeiro (seleção principal)

continua após publicidade

Ricardo Goulart (seleção principal)

Lucas Silva (seleção sub-21)

Alisson (seleção sub-21)

continua após publicidade


INTERNACIONAL

Jacsson (seleção sub-21)

Gilberto (seleção sub-21)

continua após publicidade

Otávio (seleção sub-21)


BOTAFOGO

continua após publicidade

Jefferson (seleção principal)

Dória (seleção sub-21)


CORINTHIANS

continua após publicidade

Gil (seleção principal)

Elias (seleção principal)

continua após publicidade

ATLÉTICO-MG

Diego Tardelli (seleção principal)

continua após publicidade


ATLÉTICO-PR

Douglas Coutinho (seleção sub-21)


GRÊMIO

continua após publicidade

Luan (seleção sub-21)


SANTOS

Alison (seleção sub-21)

continua após publicidade


SÃO PAULO

Ademilson (seleção olímpica)


VITÓRIA

José Wellison (seleção sub-21)


SEM CENTROAVANTE

Na primeira passagem de Dunga como treinador da seleção, entre 2006 e 2010, sempre foi usado um centroavante nos 60 jogos realizados. Isso pode mudar agora.

Na primeira lista divulgada pelo treinador, nesta terça-feira (19), somente há um jogador com característica de camisa 9, que joga mais fixo na área: o atleticano Diego Tardelli. No entanto, Tardelli não desempenha mais essa função no clube mineiro.

Os demais, como Hulk, Neymar, Philippe Coutinho, Ricardo Goulart e Éverton Ribeiro, são atletas rápidos, que gostam de se movimentar, ou até de jogar mais recuado como meias que se transformam em atacantes, dependendo da circunstância. É o que Dunga quer.

"Hoje em dia temos que analisar que todo atacante chega na frente e pode fazer gol. Não importa se é o 9, o 7, o 5, não podemos ficar presos a números. Temos a possibilidade de jogar com um 9 fixo, mas podemos também jogar sem um atacante mais preso, mais abertos nas laterais", disse Dunga.

A Folha de S.Paulo mostrou na segunda-feira (18) que o treinador testou 13 centroavantes em sua primeira passagem, e para a Copa escolheu Luiz Fabiano, hoje no São Paulo, e Grafite, no futebol árabe.

Faltam opções de qualidade para a posição, e, apurou a Folha, por isso o treinador pensa em atuar sem um atacante fixo neste início de trabalho. Mas não será Neymar o sacrificado de jogar mais adiantado. O camisa 10 terá liberdade para jogar aberto, como gosta.

O Brasil faz os dois primeiros amistosos da nova era Dunga como treinador contra a Colômbia, dia 5 de setembro, em Miami (EUA), e Equador, e Nova Jersey (EUA), dia 9 de setembro, e Hulk e Ricardo Goulart, chegando mais à frente, podem ser as opções ofensivas sem centroavante.