Esportes

Coadjuvante, Ferrari diz que precisa ser mais agressiva

Da Redação ·
 Fernando Alonso rivalizou com Lewis Hamilton, até nos boxes, no GP do Canadá; inglês, no entanto, ficou com a vitória e a liderança do Mundial
fonte: Foto por Paul Chiasson/Reuters
Fernando Alonso rivalizou com Lewis Hamilton, até nos boxes, no GP do Canadá; inglês, no entanto, ficou com a vitória e a liderança do Mundial

O chefe da equipe da Ferrari, Stefano Domenicali, admitiu após o GP do Canadá que a escuderia se concentrou demais no desenvolvimento de um duto de ar semelhante ao da McLaren e agora precisa ser mais agressiva para lutar pelo título do Mundial de Pilotos.

continua após publicidade

Após oito corridas, Fernando Alonso ocupa a quarta posição, com 94 pontos, 15 atrás do líder Lewis Hamilton (McLaren). Já o brasileiro Felipe Massa, que ainda não venceu no ano - Alonso tem uma vitória -, é apenas o oitavo, com 67 pontos.

continua após publicidade

No Mundial de Construtores, a equipe também está longe das líderes - é a terceira, com 161 pontos, bem atrás de McLaren (215) e Red Bull (193). Para Domenicali, a Ferrari deve mudar seu foco.

continua após publicidade

- Com certeza, é preciso uma pegada mais agressiva. Está claro que nos concentramos demais nessa asa traseira, perdemos muito tempo nisso e não nos focamos em outras áreas do carro.

- De Valência [próxima corrida do calendário] para frente, precisamos desenvolver essas outras áreas, porque essa asa traseira é muito complicada e necessita de muitos recursos.

continua após publicidade

Domenicali também lamentou o terceiro lugar de Alonso no GP do Canadá, no domingo (13), mas pelo menos gostou do fato de a equipe voltar a disputar os primeiros lugares.

continua após publicidade

- Poderíamos ter feito mais, muito mais, em termos de resultado. O desempenho que tivemos foi muito bom, honestamente, e o carro era exatamente o mesmo que na Turquia, onde estávamos três décimos atrás [dos líderes]. Precisamos ser prudentes antes de fazer algo exagerado em algum ponto.

- O campeonato está muito aberto. Se tivéssemos vencido a corrida, seríamos os líderes, com Fernando. Essa é a motivação que precisamos corrida após corrida. O Canadá nos mostrou um cenário totalmente diferente de duas semanas atrás.