Esportes

Ruas de São Paulo estão prontas para a Copa do Mundo

Da Redação ·
 A união entre os moradores da rua Padre Agostinho Poncet, em Santana, garante a decoração da via para a Copa do Mundo a cada quatro anos
fonte: Foto por Daia Oliver/R7
A união entre os moradores da rua Padre Agostinho Poncet, em Santana, garante a decoração da via para a Copa do Mundo a cada quatro anos

A cada quatro anos, a tradição se repete na rua Padre Agostinho Poncet, em Santana, na zona norte de São Paulo: cerca de 30 famílias se reúnem para decorar a via para a Copa do Mundo. Enquanto uns pintam e penduram bandeirinhas, outros chegam com latas de cerveja, jarras de caipirinha e carne para assar na churrasqueira... E o trabalho vira festa.

continua após publicidade

A condutora escolar Maristela Regina de Freitas conta que a iniciativa parte dos adultos, mas que crianças, jovens e idosos também participam. E assim, o costume, cada vez mais raro na capital, vai sendo transmitido aos menores.

- Fica aquela coisa de cidade do interior. Tem gente que não mete a mão na massa, mas traz uma pipoca, uma cerveja, e participa da festa.

continua após publicidade

Angélica Marcomini, também condutora escolar, é quem incentiva os vizinhos e, por isso, é chamada de “general”, uma brincadeira dos moradores. Enquanto observa fotos da decoração deste ano, feitas pelo cunhado, conta à reportagem como tudo começou.

- Foi numa festa junina em 1994, em uma brincadeira de rua, que tivemos a ideia de decorar. Primeiro começamos fazendo só alguns desenhos no asfalto, depois vieram as listras, o xadrez.... Nas últimas três Copas, pintamos todo o chão da rua.

continua após publicidade

Para Angélica e seus vizinhos, é a amizade entre os moradores que mantém a tradição de decorar a rua Padre Agostinho Poncet para a Copa.

- Nós somos todos amigos, muito unidos. É como uma família. Na hora de pintar, cada um dá a sua sugestão e assim nós vamos fazendo.

continua após publicidade

Foram necessários quatro finais de semana para pintar a rua. Ao todo, os moradores gastaram 324 litros de tinta e incontáveis bandeirinhas para fazer a decoração. Cada uma das 39 famílias contribuiu com R$ 30.