Esportes

Chefe de arbitragem cita erro a favor do Santos para defender bandeirinha

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Chefe de arbitragem cita erro a favor do Santos para defender bandeirinha
fonte: Foto: Arquivo
Chefe de arbitragem cita erro a favor do Santos para defender bandeirinha

SÃO PAULO, SP - O presidente da comissão de arbitragem da Federação Catarinense de Futebol, Luiz Carlos Espindola, saiu em defesa da bandeirinha Fernanda Colombo Uliana após as críticas do diretor de futebol do Cruzeiro, Alexandre Mattos.

continua após publicidade

A bandeirinha, que é filiada ao quadro da federação catarinense desde 2010, errou ao marcar um impedimento do Cruzeiro aos 41 min do segundo tempo no clássico contra o Atlético-MG.

A partida acabou com vitória atleticana por 2 a 1, e o diretor cruzeirense Alexandre Mattos criticou a atuação da bandeirinha. "Se ela é bonitinha, que vá posar na Playboy, no futebol tem que ser boa de serviço. Ela não tem preparo, os caras gritam e ela erra", disse Mattos.

continua após publicidade

Evitando uma nova polêmica, o chefe da comissão de arbitragem catarinense afirmou que erros acontecem no futebol independentemente de os juízes e bandeirinhas serem homens ou mulheres.

Espindola citou a partida entre Santos e Figueirense com o trio de arbitragem formado só por homens. O santista Gabriel, impedido, fez um gol e foi validado.
"Homem errar é normal, como é normal a mulher errar também. Por ser uma mulher jovem, a repercussão do erro é maior", disse o chefe da comissão de arbitragem catarinense.

Fernanda tem 23 anos, é formada em educação física, fez o curso em 2009 para ser assistente e desde 2010 faz parte do quadro da federação catarinense.
"Ela é uma assistente promissora, pode trabalhar independente da idade", declarou Espindola.

continua após publicidade

Sobre as declarações do diretor cruzeirense, ele disse que não queria falar por não ter escutado a entrevista.

Fernanda também preferiu não comentar as declarações e indicou que iria esperar o aval da federação para falar. Porém, essa autorização não foi dada.
"Não vamos autorizá-la a falar. Ela é nova e isso pode prejudicá-la. Vamos conversar com ela", afirmou Espindola.