Esportes

Preso, goleiro Bruno assina contrato com time da 2ª divisão

Da Redação ·
Preso, goleiro Bruno assina contrato com time da 2ª divisão (Foto: Arquivo/Tribuna)
Preso, goleiro Bruno assina contrato com time da 2ª divisão (Foto: Arquivo/Tribuna)

MONTES CLAROS, MG, 28 de fevereiro (Folhapress) - Condenado por assassinato e cumprindo pena em regime fechado em Contagem (MG), o goleiro Bruno pode estar próximo de retornar aos gramados. A volta depende ainda, porém, de autorização da Justiça.

Bruno Fernandes de Souza assinou na manhã de hoje contrato de cinco anos com o Montes Claros Futebol Clube, time da segunda divisão do Campeonato Mineiro. O contrato será enviado para a FMF (Federação Mineira de Futebol), ainda hoje, prazo final para a inscrição de atletas para disputar a segunda fase da competição.

Para atuar no Mineiro, o advogado do goleiro, Tiago Lenoir, disse que já solicitou a transferência dele para o presídio Regional de Montes Claros. Segundo o defensor, o objetivo é garantir o direito de Bruno ao trabalho como forma de ressocialização.

"Os artigos 36 e 37 da Lei de Execuções Penais garantem o direito ao trabalho mesmo em regime fechado. Como Bruno é um atleta profissional e há esta oportunidade, queremos que o direito dele seja assegurado", afirma.

O presidente o clube mineiro, Vile Mocellin, espera que em breve o jogador possa estar treinando com a equipe, que lidera a chave B da competição.

Na manhã de hoje, um médico fez a avaliação das condições físicas e psicológicas de Bruno para retornar aos treinamentos.

Mocellin disse que o clube está interessado em dar uma nova oportunidade ao jogador "como ser humano". "Todos podem errar e merecem uma segunda chance", afirmou o dirigente.

O contrato estabelece salário de R$ 1.430 e multa rescisória de R$ 2,86 milhões.

Apesar da assinatura do contrato, a situação de Bruno depende de autorização do TJ (Tribunal de Justiça) de Minas Gerais, que ainda não avaliou o caso.

Julgado no ano passado, Bruno foi condenado a 22 anos e três meses de prisão pelo mando e assassinato de sua ex-amante Eliza Samudio, cujo corpo jamais foi encontrado.

Eliza desapareceu em 2011, quando o então goleiro defendia o Flamengo.

Pedidos anteriores

Esta não é a primeira tentativa de transferência do jogador. Em janeiro, a defesa de Bruno solicitou dois pedidos de transferência: um para Montes Claros e outro para Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte, onde ele poderia jogar pelo Villa Nova.

O pedido de transferência para Nova Lima foi negado pelo juiz da Vara Criminal da Infância e Juventude do Município, Juares Morais de Azevedo, que alegou "falta grave carcerária" (o ex-goleiro havia se envolvido numa briga com detentos).

Na ocasião, Bruno perdeu o direito a banho de sol por 30 dias, foi proibido de receber visitas, sair da cela e trabalhar, além de perder 59 dias de remissão da pena.
 

continua após publicidade